Peça: Até que deus é um ventilador de teto, foto 1

Até que Deus é um ventilador de teto: peça faz retrato do homem urbano

De em setembro 4, 2015

Peça: Até que deus é um ventilador de teto, foto 1

Hulgo Possolo e Raul Barretto dividem a cena neste drama contemporâneo

Em temporada curta que termina no próximo dia 13, no Espaço Cênico do SESC Pompeia, a peça inédita de Hugo Possolo — que divide o palco com seu companheiro do grupo Parlapatões Raul Barretto —, Até que deus é um ventilador de teto faz um recorte na vida de um homem urbano de classe média que, mesmo estando conectado com o mundo, se vê ilhado com tantos afazeres e afastado da família.
Morador de São Paulo, casado e com um filho de 18 anos que faz intercâmbio no exterior, ele é um jornalista de 50 anos que na solidão da redação ou em seu carro faz divagações sobre a existência, sobre suas crenças e sua relação com o mundo, mesclando realidade e imaginação. Imagina que um velho morador de rua pode ser Deus que vigia seus passos.

Peça: Até que deus é um ventilador de teto, foto 2

Possolo e Barretto são dirigidos por Pedro Granato

Ao entrar, o espectador já dá de cara com o personagem (Possolo) sentado numa espécie de aquário de acrílico transparente. Este espaço funciona tanto como a redação onde ele trabalha quanto o automóvel: é ali que produz uma infinidade de artigos, fala com a mulher pelo celular, com o filho pelo computador e também dirige pelas ruas de Sampa. A única pessoa com que ele dialoga é o velho morador de rua (Barretto): todo dia no mesmo cruzamento eles trocam algumas palavras. Em seus devaneios, ele imagina que o velho possa ser Deus que vigia seus passos. Outro elemento perturbador é o imenso anzol, que logo no início do espetáculo desce do teto vagarosamente enquanto o homem inicia uma série de questionamentos sobre vida, morte, tentações, religiosidade e até sobre os sentidos de determinadas palavras e termos.
De forma ágil e ao mesmo tempo naturalmente, o personagem vai de suas imaginações e divagações para o pragmatismo e a realidade, em que discute com a mulher e o filho sobre os fatos do dia a dia e até posturas diante da vida. E neste embate com o real que ele é sequestrado e, no cativeiro, é vigiado pelo morador de rua. Além da solidão, muito comum a todos que vivemos nas metrópoles, o personagem é posto à prova e tem de saber lidar com a violência urbana. Já em liberdade, as inquietações, conflitos internos e a incongruências humanas chegam ao limite para ele.

“Esse homem, cansado de tantas relações virtuais e do esvaziamento de sentido da vida, é catapultado para reflexões metafísicas que misturam o risco da vida real com delírios de sua cabeça”, argumenta o diretor Pedro Granato.

 

Até que deus é um ventilador de teto retrata um homem de meia idade inserido no mundo contemporâneo: apesar das conquistas tecnológicas e do avanço das comunicações, ele permanece só, com dúvidas existenciais e deslocado da realidade que o rodeia. São 60 minutos intensos, que provocam angústia e reflexão sobre o nosso dia a dia. Saí do espetáculo atônito e muito identificado com aquele jornalista cinquentão e extremamente reflexivo.
Destaque para toda a produção: cenário, iluminação e trilha conduzem o espectador para o drama vivido por aquele homem. E a entrega de Hugo Possolo ao personagem emociona: sua veia cômica é mais do que conhecida e reconhecida, mas, assim como em sua peça Eu Cão Eu, ele mostra vigor e verdade na composição de personagens densos e dramáticos. Mais um grande momento em sua carreira.

 

Fotos: José de Holanda

Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Favo do Mellone

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: