Coisa de Louco, comédia inédita de Fauzi Arap critica a sociedade contemporânea

De em maio 14, 2012

Nilton Bicudo é o desjeitado palestrante Firmino contratado às pressas para falar sobre drogas

No recém-inaugurado Teatro Santa Catarina — cuja sala leva o nome de Elias Andreato, coincidentemente o diretor da peça — acaba de estrear o monólogo inédito de Fauzi Arap, Coisa de Louco. No palco, somente o púlpito, uma cadeira e um flip chart  para ajudar na explanação, elementos típicos de auditórios comerciais ou escolares. Nilton Bicuro encarna o desajeitado palestrante Firmino, um contador endividado, separado da mulher e que tem filhos, que foi contratado de última hora para fazer uma palestra sobre drogas em substituição a um delegado de polícia. Segundo ele, o delegado deve ter desistido da palestra para não perder o último capítulo da novela.
O despreparo e a falta de familiaridade com o tema a ser apresentado são confessados desde o início. Tanto que Firmino reafirma, a todo o momento, que é contador, que suas contas não estão fechando e que está ali unicamente pelo cachê.  De forma anárquica e confusa o palestrante começa falando de tudo, menos do tema central, só escreve a palavra drogas no quadro.
Aos poucos Firmino começa a discorrer sobre seus problemas pessoais, suas desavenças com a ex-mulher, sua insegurança, ao mesmo tempo em que faz críticas à mania atual das pessoas estarem conectadas permanentemente à internet e ao celular, além de serem viciadas em televisão — a grade de programação das emissoras é comparada às grades de um presídio, em que o público fica preso ao que a emissora de TV determina. Ele vai se soltando e passa a defender também o uso de medicamentos controlados, “meu médico diz que estão todos medicados”. Assim, à medida que a relação do palestrante com o público se estreita, Firmino fica mais à vontade para tomar seus remédios e bebericar algo, que se subentende ser uma bebida alcoólica.

Elias Andreato dirige a peça encenada na sala que o homenageia

Com a voz empolada, meio grogue, o palestrante faz crítica ao uso indiscriminado das drogas ilícitas, sem se dar conta de sua dependência química.
Fauzi Arap, pela comédia e ironia, critica a sociedade contemporânea por meio dos vícios adquiridos com a agitação e efervescência tecnológica dos tempos atuais. Em Coisa de Louco destaco ainda a adequada trilha sonora de Aline Meyer e a sintonia entre Nilton Bicudo e Elias Andreato, ambos atores e diretores, para a condução do espetáculo. Detalhe: a peça é apresentada somente às terças-feiras, até 03 de julho, já que ambos estão em cartaz com outras produções (Andreato em Equus e Bicudo em A Garota do Adeus).

Fotos: Lenise Pinheiro

Marcos Zaccharias Publicitário
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Marcos Zaccharias Publicitário

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: