Em Pequeno Relato sobre o Caos, Mario Garrone inova com uma linguagem direta e envolvente

De em junho 15, 2012

Segundo romance de Mario Garrone lançado pela Chiado Editora

O jornalista e escritor Mario Garrone, que para a minha honra colabora com este blog publicando seus contos inéditos  — Ataliba e o Gato Angorá, A Mulher sem Dente, A Vida Segundo Zulmiro Lim e Os Sentimentos Ruins —, acaba de lançar pela Chiado Editora seu segundo romance, Pequeno Relado sobre o Caos. Com versatilidade e estilo próprio, Garrone nesta obra relata duas histórias que caminham paralelamente. Na primeira temos a cabeleireira Doroti, uma negra de 43 anos que é abordada numa noite na Praça da República por um garotão loiro de 19 anos. Com receio no início, a mulher cede ao galanteio do rapaz e fica com seu telefone. Uma atração avassaladora toma conta do casal e em pouco tempo eles passam a dividir a vida. Do outro lado desta história, temos o advogado aposentado Alcibíades, que aos 83 anos acaba de comemorar as bodas de ouro com sua esposa Dircinha e ambos partem para a Europa. Tudo parece correr às mil maravilhas para o aposentado, mas logo ao desembarcar ele recebe um telefonema que irá modificar radicalmente sua vida.
O autor divide seu Pequeno Relato em quatro partes: além do prólogo, em cada uma das partes vai discorrendo a história dos personagens centrais; assim a primeira parte é dedicada à cabeleireira e seu encontro com Gustavo, o adolescente que adora fumar maconha, ir ao cinema e odeia estudar e dar satisfação de sua vida para Lili, sua mãe. Na segunda parte o leitor tem a chance de conhecer Alcibíades: seu casamento morno com Dircinha e suas reminiscências, quando se envolveu com a cantora negra Nina Reis. Já na terceira parte, o romance de Doroti e Gustavo está a pleno vapor e as consequências deste inusitado casal também vêm à tona. A cabeleireira tem de lidar com todo o tipo de preconceito, enfrenta inclusive a sogra e eles passam a viver juntos. Na quarta e decisiva parte do livro as histórias dos dois protagonistas — Doroti e Alcibíades — se cruzam e o leitor é surpreendido: a narrativa ganha colorido policial e o desfecho do Caos é definido no último e eletrizante parágrafo, mantendo o suspense até o final.

Jornalista e escritor Mario Garrone, colaborador do Favo

Mario Garrone, autor de diversas peças teatrais e do romance O Homem Infeliz, Editora Imago/1998, em Pequeno Relado sobre o Caos optou pela ausência total de diálogos. Seu narrador onipresente, no entanto, traça um perfil psicológico detalhado de todos os personagens. O que mais me chama a atenção na obra é a linguagem direta. Com frases curtas e interligadas, Garrone traça um painel das situações e circunstâncias:

Olegário reparou no retrato. Reparou também que, enquanto Doroti estava lá com a boca aberta, o dentista ficava entre a boca e ele. Mais nele do que na boca.
O primeiro beijo aconteceu numa terça.

Outro exemplo da linguagem direta do autor:

 

Ela reconheceu que seria um problema parir. Não foi fácil, porém, abrir mão da criança.

Como acompanho a carreira de Mario Garrone de perto, sei que este livro (depois de muito esforço para sua publicação) foi escrito antes dos contos publicados aqui no Favo. O leitor atento poderá também constatar — depois de ler os contos — que o estilo do autor está mais apurado. Seu talento e criatividade merecem chegar ao grande público; que os editores estejam atentos e sensíveis ao novo. Mario, vida longa à sua carreira literária!

Serviço:
Pequeno Relado sobre o Caos
, de Mario Garrone. Chiado Editora, 205 páginas. Se tiver dificuldade em encontrar a obra, solicite seu exemplar pelos sites: www.chiadoeditora.com ou www.wook.com. O livro está disponiível na livraria do Espaço Itaú de Cinema/Augusta e na livraria online www.livrariaroteiro.com.br

Fotos: divulgação

 

Marcos Zaccharias Publicitário
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: