Eu Te Amo: filme de Arnaldo Jabor ganha montagem teatral

De em janeiro 11, 2012

Alexandre Borges e Juliana Martins vivem Paulo e Maria, os frustrados no amor

Se pudesse definir numa única frase a nova montagem da peça de Arnaldo Jabor, Eu Te Amo, em cartaz no Teatro Folha, seria esta: do cinema para o palco e, no palco, a interação com a sétima arte.
E não poderíamos esperar outra coisa, já que os diretores da peça, Rosane Svartman e Lírio Ferreira, são cineastas e estão debutando no teatro; por sua vez, o autor fez a primeira versão desta trama para o cinema, em 1981 com Sônia Braga e Paulo César Pereio nos papéis centrais. A trama pulou para o palco sete anos depois, com Bruna Lombardi e Paulo José.
Desta vez, Maria e Paulo, personagens frustrados emocionalmente, são vividos por Juliana Martins e Alexandre Borges. Para deixar a trama contemporânea, os diretores fizeram com que os dois se encontrassem numa sala de bate-papo da internet: Paulo é um cineasta em crise depois que sua mulher, a protagonista de seu filme, fugiu com o diretor de fotografia e Maria cansou da relação que mantém com um homem casado e resolve transar “com o primeiro homem que aparecer”. Eles mentem e no primeiro encontro ela se passa por garota de programa e ele por um cineasta famoso e premiado. As máscaras caem logo depois da primeira transa entre eles.
Tudo acontece no estúdio onde Paulo trabalha e mora. Numa das primeiras cenas o público já é agraciado com a fusão teatro/cinema: a parede de fundo do cenário vira uma grande tela, em que os pensamentos do personagem são transpostos para a película. O filme (real e imaginário) de Paulo é projeto e os espectadores unem os dois planos.

Maria e Paulo: solitários e carentes buscam o entendimento na relação a dois

 

Se o primeiro encontro entre Maria e Paulo tinha somente finalidade sexual, tudo se altera porque eles se apaixonam, em função da carência e solidão que estão vivendo. O que acontece a partir daí é uma discussão sobre o amor, paixão, encontros e desencontros afetivos, traição, frustração amorosa e papéis desempenhados por homem e mulher na relação a dois.

O que mais me cativou no espetáculo foi justamente a fusão da trama vivida no palco e sua transposição para a tela: a primeira relação sexual dos personagens é delicadíssima e o casal do palco interage com o interpretado no filme (numa tomada é Maria e na seguinte é a mulher de Paulo, vivida por Ana Markun). E a paixão pelo cinema — tanto do personagem como dos diretores e do próprio autor — fica evidenciada quando Paulo diz que seu filme preferido é Pickpocket, de Robert Bresson. Tanto que uma frase definitiva do clássico do cinema é repetida pelo personagem quando eles se reencontram: ‘percorri os mais estranhos caminhos para encontrá-la’.
Eu Te Amo: cinema e teatro entrelaçados por intermédio do amor.

 

Fotos: Marcos Morteira

28º Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
28º Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: