Tetro: drama familiar pelas mãos do mestre Coppola

De em dezembro 14, 2010

Bennie (Alden Ehreinreich) e Tetro (Vincent Gallo) logo ao se reencontrarem

O mestre está de volta! Francis Ford Coppola esteve no Brasil para o lançamento de seu mais recente longa-metragem, Tetro. Em preto e branco e rodado na Argentina, o filme retrata a história e os mistérios da vida dos irmãos Tetroccini: Angelo (Vincent Gallo) um poeta que se refugiou na América do Sul e adotou o pseudônimo Tetro e Bennie (Alden Ehreinreich) que resolve passar o aniversário de 18 anos com o irmão.
Em entrevista durante o lançamento, Coppola admite que o roteiro traz muito de sua história pessoal. Ele admirava muito o irmão mais velho, mas o sucesso e a realização profissional vieram primeiro para ele. No filme, o pai e o tio dos garotos — ambos vivido pelo ator Klaus Maria Brandauer — são músicos, mas o sucesso como maestro regente de orquestra chegou primeiro para o pai deles. Graças ao êxito internacional, a família muda-se para Nova York. A tumultuada relação com o pai famoso faz com que Angelo rompa com a família: ele parte para Buenos Aires, onde muda seu nome (Tetro) e casa-se com a médica Miranda (Maribel Verdú), que o conheceu durante um tratamento no manicômio.
A história começa mesmo com a chegada de Bennie à Argentina: depois de abandonar a marinha, o garoto emprega-se num navio que, por problemas mecânicos, é obrigado a atracar em Buenos Aires. Ele deixa a embarcação para comemorar seu aniversário ao lado do irmão, que não vê há 10 anos e tanto venera.

Vincent Gallo vive o personagem que dá nome ao filme

Como em outros de seus filmes, como O Poderoso Chefão e Rumble Fish, Coppola retoma em Tetro as relações familiares. O irmão mais velho, muito em função dos traumas vividos com o pai, quer esquecer o passado, ao contrário de Bennie, que não conhece a verdadeira história da sua mãe e quer investigar suas origens. Sem que o irmão saiba, o garoto remexe velhos baús e descobre escritos e poemas que revelam o que tanto almeja. Sem Tetro saber, Bennie escreve uma peça teatral com os escritos do irmão e a inscreve para um festival na Patagônia. A peça é selecionada e, depois de brigas e discussões, todos vão para o evento. Os mistérios da família Tetroccini vêm à tona ao mesmo tempo em que a peça se desenrola no palco.
Além da beleza plástica que as cenas em preto e branco dão ao filme, Coppola ainda inverte a ordem natural da narrativa cinematográfica: o passado é mostrado com todas as cores enquanto o presente é retratado em P&B. Destaque ainda para a sensibilidade e beleza das cenas de dança mostradas no palco e para a participação especial da atriz Carmem Maura, musa de Pedro Almodóvar, que vive a crítica teatral Alone. As cenas finais dos dois atores são catárticas e o público se identifica e ao mesmo tempo se emociona com o lirismo e maestria de Coppola.
Fotos de divulgação

Tório 2
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Marcos Zaccharias Publicitário

2 Comentários

Kiko Rieser

dezembro 14, 2010 @ 15:57

Resposta

Gostei do blog. Voltarei mais vezes. Quero muito ver esse novo Coppola. Depois que vir, venho aqui dialogar com seu texto. Abraços.
PS: Te respondi no meu blog

Maurício Mellone

dezembro 15, 2010 @ 16:04

Resposta

Kiko:
Que bom q vc gostou do blog; e volte mesmo para contar o q achou do filme do Coppola.
Vou voltar ao seu blog tb para continuarmos esse papo!
abr

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: