Torto arado: premiado romance do escritor baiano Itamar Vieira Junior

De em maio 20, 2021

Itamar Vieira Junior: autor venceu os prêmios LeYa/18, Jabuti/20 e Oceanos/20

 

 

“Então sentiu que desde sempre o som do mundo havia sido a sua voz.”

 

Dando voz e protagonismo às irmãs Bibiana e Belonísia, descendentes de trabalhadores quilombolas da fazenda Água Negra, no sertão baiano dos anos 1960, o escritor, geógrafo e professor da UFBA (Universidade Federal da Bahia) Itamar Vieira Junior em Torto arado (Todavia Livros) não só retrata a saga daquela família como reconstitui a história da vida dos quilombolas e demais trabalhadores rurais submetidos a um sistema de trabalho injusto e análogo às condições escravocratas.

Com uma linguagem ágil e poética, o escritor envolve o leitor desde as primeiras linhas, com a trama sendo narrada pelas irmãs, desde a infância até a maturidade delas. Filhas de Zeca Chapéu Grande, curador e líder espiritual do local, e de Salustiana, parteira e braço direito do marido, Bibiana e Belonísia provocam um acidente na infância, que irá marcar a vida delas para sempre.

 

 

 

Antes do Brasil, obra foi lançada em Portugal

 

 

 

Com grande aceitação do público leitor e consagrado pela crítica — recebeu em Portugal o Prêmio LeYa em 2018 e no ano passado foi agraciado com Prêmio Jabuti (Romance Literário) e o Prêmio Oceanos —, o livro é dividido em três partes, Fio de corte, Torto arado e Rio de sangue, e narrado com maestria: o fato marcante ocorrido na infância das meninas aparece já nas primeiras páginas; no entanto o leitor só percebe que a narrativa é intercalada entre Bibiana e Belonísia com o desenrolar da história.

 

 

 

 

No início as garotas eram extremamente ligadas uma a outra, não se desgrudavam tanto nas brincadeiras com bonecas de sabugo de milho como nos pequenos afazeres domésticos. Mas com o passar dos anos, Belonísia se afeiçoa ao modo de vida rural e Bibiana, ao lado de Severo, primo e marido, toma consciência da condição injusta de trabalho na fazenda e ambos resolvem lutar pelos direitos dos trabalhadores rurais (o casal parte para a cidade e volta anos mais tarde com a intenção de melhorar a condição de vida daquele povo). Quando da entrega do Prêmio Oceanos, Itamar Vieira Junior define sua intenção ao escrever sua obra:

 

 

 

 

 

“Esta é uma história de amor à terra que me foi narrada por conta de meu trabalho como servidor público com camponeses, trabalhadores rurais, quilombolas, indígenas, assentados, acampados e comunidades ribeirinhas, ao longo de 15 anos. Cada comunidade elabora esse sentimento em relação à terra de forma diferente, mas que atravessa suas vidas de uma maneira comum. Este livro é um retrato — o meu retrato — do Brasil deste tempo em que vivo, um Brasil que tem uma profunda conexão, ainda, com o seu passado mal resolvido.”

 

 

Em sua obra Itamar Vieira executa a máxima da estética, ou seja, a de falar de seu mundo particular e atingir o universo. Por meio do relato do modo de vida dos trabalhadores da fazenda Água Negra, que se dividiam entre os afazeres para os patrões e os cuidados das próprias plantações (geralmente nas margens dos rios), o autor traça um painel da resistência e da ancestralidade negra.

 

 

“O romance valoriza outras vozes, não hegemônicas, da nossa sociedade e da história. Os quilombolas, os adeptos das religiões afro, as vozes rurais (dos trabalhadores do campo, não dos donos da terra). Essa outra história brasileira que ainda precisa ser contada, estudada, lembrada”, atesta Leandro Sarmatz, editor da obra.

 

Sem dúvida um livro envolvente e que já definiu seu lugar na história da literatura brasileira e universal.

 

 

Ficha técnica:
Título: Torto arado
Autor: Itamar Vieira Junior
Editora: Todavia, 264 pgs
Preço: R$ 36,90

 

 

 

 

 

Foto: divulgação

Uba
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro

6 Comentários

Dinah Sales de Oliveira

maio 21, 2021 @ 13:22

Resposta

Maurício,
Que bom ler sua resenha, mais uma elogiando o belo trabalho de Itamar Vieira Junior!
Não comprei o Torto Arado, porque tinha combinado com a Su de trocarmos alguns livros (você e eu também estamos nos devendo esse gesto de troca, né?).
Comprei na semana passada o outro livro dele, A oração do carrasco. Se quiser ler, depois a gente faz uma festa literária entre amigos.

bjs,
Dinah

Maurício Mellone

maio 21, 2021 @ 14:53

Resposta

Dinah,
já topei a festa literária entre nós!
Este outro livro do Itamar é de contos, né? Tb foi
indicado ao Jabuti (acho q em 2019)
Posso te emprestar o Torto arado (se vc não ler o da Su primeiro! rsrsr)
Beijos

Deborah

maio 20, 2021 @ 19:43

Resposta

Esse livro é ótimo! Toca em pontos estruturais do país mas não é didático. É pura literatura, fluente e comovente.

Maurício Mellone

maio 21, 2021 @ 14:59

Resposta

Deborah,
também adorei a narrativa criativa do Itamar Vieira Junior!
E tenho esperança q minha resenha possa ajudar a mais gente conhecer
este grande escritor da Bahia!!!
Beijos e obrigado pela visita e pelo comentário!

Deborah

maio 20, 2021 @ 19:40

Resposta

Esse livro é ótimo! Tomara que a partir dessa resenha outros leitores aproveitem a leitura.

Maurício Mellone

maio 21, 2021 @ 15:01

Resposta

Deborah,
beijos

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: