A Caixa, o ensaio do eu sem você: curta-metragem sensível sobre o amor

De em outubro 2, 2023

O ator Adriano Arbool é o protagonista do curta-metragem, uma produção Maynart&Nunes

 

Geralmente minhas resenhas sobre cinema são com produções que estão em exibição. Desta forma, elas servem como indicações para que as pessoas assistam a bons filmes. Neste caso, o curta-metragem A Caixa, o ensaio do eu sem você, ainda percorre o circuito dos festivais, sem previsão de estreia nas salas comerciais.

No entanto, o filme é delicado, sensível e trata de um tema muito caro para mim: com roteiro de Marcos Maynart e Beto Alves e direção de João Mario Nunes, a trama revela a relação amorosa entre Thiago e João. Com a morte precoce do amado, vítima de Aids nos anos 1980, João precisa lidar com o vazio que se tornou sua vida. Vivi exatamente este roteiro, no final da década de 1990, com a partida do meu grande amor, também acometido da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.

 

 

O jornalista Marcos Maynart divide o roteiro com Beto Alves

 

 

Com um texto poético, imagens paradisíacas e uma trilha sonora
sensível, o filme envolve o espectador logo nas primeiras cenas.

 

 

Em teu rosto
Minha memória
Interrompida

O silêncio
da morte
deixa rastro
estridente”

 

 

 

 

 

 

A história de amor entre Thiago e João é narrada em off, com imagens da caixa que guarda as cartas trocadas entre eles. Aos poucos, o cônjuge que precisa lidar com a perda do amado, vivido pelo ator Adriano Arbool, toma à frente da ação e o espectador percebe que ele irá cumprir o desejo do casal, jogar as cinzas do companheiro no mar.

 

 

 

 

 

 

 

 

Se esta separação dói tanto
É porque o amor existe
Nós vencemos
!

 

 

 

 

O filme termina com um pequeno histórico da Aids, desde o aparecimento dos primeiros casos, o início das pesquisas científicas sobre a doença, os primeiros testes para identificar a moléstia, o aparecimento da primeira droga (AZT) e os números de mortes causadas pelo HIV, no mundo e no Brasil. A frase final revela a realidade atual: “Apesar dos avanços da medicina, a Aids ainda não tem cura”.
A canção Um mais Um, de Liah Soares, fecha o curta-metragem e se encaixa perfeitamente na trama. Fico na torcida para que  A Caixa, o ensaio do eu sem você traga vários prêmios e logo o público possa assisti-lo.

 

 

 

 

Fotos: divulgação


4 Comentários

Adriana

outubro 2, 2023 @ 18:49

Resposta

Lindo texto!! Trama sensível e bem direcionada. Adorei

Maurício Mellone

outubro 3, 2023 @ 14:25

Resposta

Adriana,
q bom q vc gostou!
O filme do Maynart é emocionante,
q receba váris prêmios
bjs, obrigado pelas visitas

Marcos Maynart

outubro 2, 2023 @ 18:17

Resposta

Mauricio, estou emocionado com a sua resenha do meu curta: A Caixa, o ensaio do eu sem você!

Que bom saber que eu estou no caminho certo. Obrigado pela torcida. Vamos à luta.

Lucinha Araújo, a mãe do Cazuza, disse para mim que A “Caixa – o ensaio do eu sem você”, filme de Marcos Maynart e João Mario Nunes, roteiro de Beto Alves, revela que o amor é capaz de ultrapassar o tempo. As cartas de uma história de amor, entre dois homens, nos lembram que as palavras capturam o tempo, para além de dor ou sofrimento. Quantas histórias, como a de João e Tiago, foram interrompidas pela Aids nos últimos 40 anos? A beleza deste curta é nos lembrar que as histórias de amor, principalmente daqueles que se foram antes da hora, devem ser sempre lembradas.”

Marcos Maynart

Maurício Mellone

outubro 3, 2023 @ 14:29

Resposta

Maynart, querido:
sem dúvida, Lucinha está coberta de razão.
Gil, Thiago, Paulo,Fernando, Carlos….
a lista é imensa… foram de forma precoce
antes do avanço da medicina e os recursos disponíveis
hoje. Nós que ficamos, a duras penas, precisamos
dar continuidade à vida, ao legado deles!
Sucesso, amigo, que seu curta chegue a milhares
de corações!
Beijos

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: