Weekend: como em dois dias o amor altera a vida de dois rapazes

De em junho 11, 2012

Cartaz do filme que tem roteiro e direção de Andrew Haigh

Premiado em festivais pelo mundo, Weekend chega ao Brasil pela distribuidora Festival Filmes exatamente no mês em que se comemora o orgulho LGBT. Nada mais adequado, já que o filme britânico tem como foco a história de amor entre Russel (Tom Cullen) e Glen (Chris New). Tudo começa depois que Russel sai de um jantar com seus amigos heterossexuais e resolve terminar a noite numa boate gay; entre várias possibilidades, o rapaz acorda em sua cama com o estudante Glen, que pede para que ele grave suas impressões sobre o encontro deles e a relação que acabaram de ter. Aos poucos a atração entre eles cresce e o que poderia ser somente um encontro casual torna-se fundamental na vida dos dois rapazes.
Por mais que relações afetivas entre pessoas do mesmo sexo já tenham evoluído e os direitos igualitários venham conquistando cada vez mais espaços no mundo, individualmente as pessoas ainda sofrem para assumir sua homossexualidade e enfrentam dificuldade quando sentem-se atraídas pela pessoa do mesmo sexo.

Glen (Chris New) e Russel (Tom Cullen) vivem tórrida história de amor num final de semana

Em Weekend o diretor e roteirista Andrew Haigh traz nova abordagem para esta discussão. Russel, que é salva-vidas numa escola de natação e procura se adequar aos padrões sociais, fica perturbado com o estilo libertário e bem resolvido de Glen, um estudante que está prestes a viajar paras os Estados Unidos. Num único final de semana eles não conseguem ficar separados e, entre passeios, baladas, muito sexo e consumo de álcool e drogas, ficam apaixonados e discutem temas ainda tabus, como a primeira transa, como contar para a família sobre a homossexualidade e, principalmente, como enfrentar o sentimento profundo de amor que nasce entre eles.
Se de um lado Russel, que vive só, administra muito bem seu apartamento, tem emprego fixo, mas sente dificuldade em admitir sua própria condição afetiva, por outro lado Glen não vê problema algum com sua sexualidade e não se preocupa em corresponder aos padrões impostos pela sociedade; no entanto, fica desconsertado com a atração e o amor que vê brotarem explosivamente por Russel. E tudo isto ocorre num único final de semana, que será crucial e decisivo na vida dos dois rapazes.
Haigh centrou a maioria das cenas no casal, numa troca incessante de ideias e energias, que contagia e pode provocar mais discussão entre os espectadores. Imperdível tanto para a plateia LGBT como para o público em geral.

Fotos: divulgação

você pode gostar

28º Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro

6 Comentários

sofia martínez

fevereiro 12, 2015 @ 13:41

Resposta

É muito bom, muito bonito. A estréia da série Looking 2 levou-me a aprender mais propostas sobre filme gay e eu realmente têm sido agradáveis surpresas.

Maurício Mellone

fevereiro 19, 2015 @ 11:07

Resposta

Sofia,
obrigado pela visita
abr

Ricardo Azevedo Migel

junho 21, 2012 @ 18:56

Resposta

Olá Maurício. Tudo em paz? Adorei este filme.

Maurício Mellone

junho 22, 2012 @ 10:41

Resposta

Ricardo: que bom q vc também gostou do ‘Weekend’;
realmente é um filme instigante que traz a relação entre os dois rapazes
de maneira aberta e muito atual.
Obrigado pela visita e volte sempre!
abr

Luiz Carlos Líbano

junho 13, 2012 @ 01:11

Resposta

Olá, Mau, ao contrário de uma outra bomba (filme gay) que vi há uns meses, cujo nome resolvi esquecer, esse me surpreendeu por lançar um olhar bem interessante para os relacionamentos homoafetivos. Belo roteiro e convincente atuação dos atores.
Até dá vontade de namorar e voltar a ter esperança por novos relacionamentos, ainda que o ‘mar não ande pra peixe’ e ‘a maré só esteja propícia pra jacaré’, não pra filé.
Achei o filme bem envolvente e realista.

Maurício Mellone

junho 13, 2012 @ 18:27

Resposta

Luiz:
O diretor (que também assina o roteiro) lançou uma luz nova
à velha e eterna questão homoafetiva: como enfrentar os desafios
da sociedade e os (pré)conceitos dos próprios agentes da historia de
amor, no caso os dois lindos e graciosos garotos britânicos?
Sobre a dificuldade de se concretizar o amor nos tempos atuais,
precisamos insistir e ‘guerrear’ contra esta má maré!
bjs e obrigado pela visita, volte sempre!

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: