O chão sob meus pés: filme austríaco denuncia machismo nas corporações

De em outubro 8, 2020

Valerie Pachner vive Lola, que luta para sobreviver no ambiente profissional competitivo

A produção da diretora austríaca Marie Kreutzer, O chão sob meus pés, percorreu vários festivais de cinema pelo mundo, incluindo a indicação ao Urso de Ouro no Festival de Berlim, e quando iria estrear no Brasil foi decretado o fechamento dos cinemas em razão da pandemia da Covid-19. Sete meses depois finalmente o filme estreia no país, mas somente no streaming (Now e Vivo Play).

Com roteiro da própria diretora, o filme mostra o cotidiano de Lola, interpretada por Valerie Pachner, uma bem-sucedida consultora de negócios que tem de conciliar sua vida particular — é responsável por sua irmã mais velha que sofre de problemas mentais — com a vida profissional, num ambiente competitivo, eminentemente masculino, machista e cruel.

 

 

Lola e Conny (Pia Hierzegger), que sofre de problemas mentais

 

O filme começa com o despertar de Lola e o início de sua atribulada rotina: os exercícios físicos pela manhã e a preparação para o trabalho que invariavelmente requer viagens para atender aos clientes da  sua empresa de consultoria de negócios. Aos poucos o espectador percebe que Lola é o que se chama de workaholic, viciada por trabalho; no entanto, este excesso de atividade profissional pode estar escondendo suas limitações emocionais e a dificuldade de enfrentar os próprios dramas interiores. Ela é a responsável legal de sua irmã mais velha, Conny (Pia Hierzegger), que sofre de problemas mentais e está internada numa clínica por ter tentado o suicídio. Lola também mantém um secreto relacionamento amoroso com Elise (Mavie Hörbiger), a poderosa chefe da empresa.

 

 

 

 

Na difícil missão de conciliar a vida profissional com a particular (as inúmeras viagens e os insistentes telefonemas da irmã que exige sua presença), Lola começa a se desestruturar emocionalmente. Entretanto, o que mais a atinge é a forma desrespeitosa, cruel e machista com que é tratada no meio profissional, tanto por parte dos clientes (com propostas de assédio) como por parte da própria equipe formada praticamente por homens. Nem mesmo Elise, com quem ela divide a cama, poupa Lola de atitudes machistas e desrespeitosas: depois de meses à frente de um grande negócio de consultoria, Lola é preterida a assumir um cargo de responsabilidade na Austrália; Elise escolhe um homem, colega da equipe liderada por Lola, a assumir o posto.

 

 

 

Elise (Mavie Hörbiger) e Lola mantêm secreto caso amoroso


O chão sob meus pés
não é somente um filme que denuncia o machismo; o inusitado desta produção (escrita e dirigida por mulher e o protagonismo defendido por personagens femininos) é que o machismo é dissecado em minúcias — a cena em que Lola segue o companheiro da equipe até o banheiro e ele diz por que foi o escolhido, é impactante e ao mesmo tempo desanimador. Parece impossível vencer este machismo estrutural. Grande interpretação de Valerie Pachner, premiada em váiros festivais.  Não perca: exibição somente no streaming (Now e Vivo Play).

 

 

 

 

Fotos: divulgação

Tório 2
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: