O Despertar: Carla Candiotto em solo cômico de Franca Rame e Dario Fo

De em junho 10, 2021

Com tradução, adaptação e direção de Neyde Veneziano, atriz vive uma trabalhadora hilária

 

 

A diretora Neyde Veneziano está de volta ao universo do casal de dramaturgos italianos Franca Rame e Dario Fo, depois de já ter montado Mistero Buffo e Francesco. Desta vez Neyde assina a tradução, adaptação e direção do monólogo cômico O Despertar, que faz parte dos 25 monólogos para mulheres da antologia feminina, da obra do casal. Neste solo, a atriz Carla Candiotto vive uma trabalhadora do comércio, que como a maioria das mulheres de classe menos abastada, precisa ser muitas para dar conta de tantos afazeres. Com graça e ironia, o texto faz uma ácida crítica social.

 

Gravado no Teatro Giostri, o espetáculo tem transmissões gratuitas, de sexta a domingo, pelo canal You Tube Veneziano Produções até o próximo dia 20/06.

Com graça, Carla relata o cotidiano de uma mulher dos nossos dias

 

 

Neste novo fazer teatral em função da pandemia da Covid-19 (espetáculo foi gravado e é um misto de teatro e audiovisual), a diretora resolveu criar o monólogo com a câmera parada diante da atriz, tendo ao fundo um pequeno e modesto apartamento que ao final o espectador terá uma grata surpresa. Como diz o título, o prólogo é um sonho/pesadelo daquela mulher, que mesmo dormindo vive preocupada com tudo o que tem de providenciar no seu dia a dia. Ao acordar, vê que tudo o que sonhou é pura realidade: tem de correr para se arrumar, fazer tudo sem muito barulho para não acordar o marido que está desempregado, vestir seu bebê e correr para levá-lo à creche antes de entrar no serviço, uma loja de produtos populares onde invariavelmente é assediada pelo chefe/proprietário. E há ainda o transporte coletivo sempre lotado, além dos rígidos horários a se cumprir.

 

 

Com forte verve cômica, a atriz relata com graça o cotidiano daquela trabalhadora, tudo vira gague, por mais que ela viva sobrecarregada de serviço, sofra violência doméstica e assédio no trabalho. Com ironia e sarcasmo os autores fazem uma crítica social:

 

 

“Pretendemos provocar indignação na plateia, pelo desprezo e indiferença com que os ricos tratam os mais simples. A dramaturgia de Franca & Fo revela a submissão sexual da mulher e o papel feminino na história mundial. O absurdo do real cresce com a crítica aos patrões, com a péssima qualidade do transporte público, com a briga de casal, até chegarmos ao verdadeiro non sense que, por mais absurdo que seja, faz sentido”, explica Neyde Veneziano.

 

 

Mesmo tendo sido escrito nos anos 1970, o monólogo cômico infelizmente é muito atual, graças à ótima adaptação à realidade brasileira e aos dias atuais: com a pandemia verificou-se o aumento do número de casos de violência doméstica às mulheres. Com humor, o espetáculo provoca reflexão e incita o público a tomar consciência do que estamos vivendo. Além da força da dramaturgia e da criativa adaptação, o solo, de 30 minutos de duração, ganha ainda mais força graças ao talento de Carla Candiotto. Destaque ainda para o inusitado cenário de Fabio Namatame, que é totalmente desmontado ao final da apresentação pela equipe, todos de máscara. Curta temporada: somente dois finais de semana, este e o próximo.

 

Atriz atrai o público com sua comicidade


Roteiro:
O Despertar
. Texto: Franca Rame e Dario Fo. Tradução, adaptação e direção: Neide Veneziano. Elenco: Carla Candiotto. Cenografia e figurino: Fabio Namatame. Iluminação: André Lemes. Fotografia e captação de imagens: Rodrigo Veneziano.
Serviço:
Gravado no Teatro Giostri, transmissão online gratuita: You Tube Veneziano Produções. Horários: de sexta a domingo às 20h. Duração: 30 min. Classificação: 14 anos. Temporada: até 20 de junho.

 

28º Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Uba

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: