Peça: DesolaDor, foto 1

DesolaDor: solo de Clovys Torres sobre artista francês Antonin Artaud

De em fevereiro 21, 2018

Peça: DesolaDor, foto 1

Clovys Torres revive no palco um dos mais significativos artistas do século XX

Um recorte sobre a trajetória sofrida do dramaturgo, poeta, ator e roteirista Antonin Artaud. Esta a proposta cênica de Gabriela Mellão, autora e diretora da peça DesolaDor, que traz Clovys Torres em marcante composição do artista francês. O espetáculo está em cartaz no SP Escola de Teatro. A trama foi construída a partir da correspondência trocada entre Artaud e o psiquiatra Ferdière, diretor do manicômio Rodez, onde o artista ficou internado por anos (1937 a 1946). Mostrando os últimos anos de vida de Artaud, o ator se apresenta de torso nu e coberto por uma cola branca, que vai se descolando durante a peça, numa referência à decomposição física e mental daquele homem.

Além das sessões, a equipe promove às segundas-feiras, depois do espetáculo, um bate papo entre a plateia e convidados especiais sobre a obra de Artaud e sua relação com a arte, a psicanálise e a finitude humana.

Peça: DesolaDor, foto 2

Ator se apresenta com uma cola sobre o corpo

 

Para uma plateia de apenas 50 pessoas, a montagem enfatiza o confinamento, numa alusão ao período de internação de Artaud no hospital psiquiátrico Rodez. O ator entra em cena sem qualquer iluminação; um foco de luz sobre ele determina o início do espetáculo: já como um paciente do manicômio, Artaud discorre sobre as agruras de sua existência enquanto caminha sobre uma linha que delimita o espaço cênico. Mesmo estando sob tratamento extremamente invasivo — as sessões de eletrochoque eram comuns naquela época —, o artista revela-se lúcido e questiona vida e morte (sente-se vivo morto, morto sempre vivo). Artaud também não dissocia a vida real da ficção e a montagem enfatiza a fase final da vida do artista, sua desagregação física e psíquica pela dor. Daí a importância da película de cola sobre o corpo do ator: durante a peça ele se esfrega para retirar aquela camada intrusa, que também vai se soltando numa referência à decomposição humana.

O espetáculo impressiona graças a sua plasticidade. Além do efeito da cola no corpo do ator, a iluminação é um elemento narrativo crucial, com ênfase para as sessões de eletrochoque. O grande destaque da montagem é a parceria entre Gabriela Mellão — que além da dramaturgia, direção, trilha e cenário, divide a luz com Alexandre Stockler — e Clovys Torres, que com sua interpretação visceral revive no palco um dos mais significativos artistas do século XX. Sem dúvida um grande momento da carreira do ator.

 

Peça: DesolaDor, foto 3

Gabriela Mellão: parceria total com o ator

Roteiro:
DesolaDor
. Texto, direção e cenário: Gabriela Mellão. Elenco: Clovys Tôrres. Iluminação: Alexandre Stockler e Gabriela Mellão. Trilha sonora: Gabriela Mellão. Fotografia: Giorgio D’Onofrio.
Serviço:
SP Escola de Teatro (60 lugares), Pr. Franklin Roosevelt, 210, tel. 11 3775-8600. Horários: sexta às 21h30; sábado e segunda às 21h e domingo às 19h. Ingressos: R$ 40 e R$ 20. Duração: 50 min. Classificação: 14 anos. Temporada: até 19/3.

Marcos Zaccharias Publicitário
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: