Peça: A vida útil de todas as coisas, foto 1

A vida útil de todas as coisas: peça faz crítica mordaz à sociedade

De em maio 30, 2019

Peça: A vida útil de todas as coisas, foto 1

Elenco: Louise Helène, Eduardo Semerjian, João Bourbonnais e Luciana Ramanzini

Por definição literal, distopia (a não utopia) é a demonstração hipotética de uma sociedade futura, definida por circunstâncias de vida intoleráveis, que busca analisar de maneira crítica as características da sociedade atual. E o novo trabalho de Kiko Rieser, A vida útil de todas as coisas, em cartaz na Oficina Cultural Oswald de Andrade, se encaixa exatamente neste conceito.

No entanto, o espectador não percebe, com as primeiras cenas, que a trama se localiza num futuro distópico, pois o início é com um homem comum, interpretado por Eduardo Semerjian, concentrado no computador; seu pai, vivido por João Bourbonnais, chega empolgado por ter ganho no jogo de boliche e o filho pouco responde às indagações dele e nem percebe o início da perda de memória do pai. O homem só se atém ao estado de saúde do progenitor quando é questionado pela filha, interpretada por Louise Helène.

 

A partir daí, com a busca de tratamento para o ancião, é que a solução proposta pela secretária da clínica (Luciana Ramanzini) — troca da peça por outra em boas condições — choca o homem, que passa a lutar contra o comércio de órgãos e a substituição de pessoas por máquinas.

 

Peça: A vida útil de todas as coisas, foto 2

Homem (Semerjian) se revolta contra a troca de pessoas por máquinas

O espectador percebe que o período retratado na peça é num futuro indefinido no exato instante em que o personagem central cai em si e entende que a peça a ser substituída é exatamente o seu pai, parte inerente de sua história de vida. Ele então começa uma guerra, não somente contra a clínica, mas principalmente contra o status quo, contra o estabelecido, contra as normas vigentes de então. Ele procura, por todos os meios disponíveis — de veículos de comunicação virtual, a redes sociais até manifestações em praça pública—, chamar a atenção para a importância do afeto e do amor nas relações humanas. O óbvio para os nossos olhos de hoje. Entretanto, ninguém adere a seus apelos, nem os próprios familiares. Parece uma guerra perdida, ele nada contra a maré!

 

A crítica rigorosa do texto às atitudes humanas (desprezo ao amor, menosprezo ao próximo em contraposição ao apego à tecnologia e à comunicação virtual) não se refere ao futuro distópico da trama, mas ao nosso cotidiano contemporâneo!

 

 

“Os procedimentos tecnológicos ficcionais desta peça são um pano de fundo que alicerça uma discussão a respeito de questões absolutamente humanas e de estruturas socioeconômicas seculares. A montagem opta por situar a ação num tempo que, embora indeterminado, constitui o nosso presente”, afirma Kiko Rieser.

 

 

Peça: A vida útil de todas as coisas, foto 3

Atuações comoventees

A vida útil de todas as coisas tem um efeito contundente sobre a plateia. Ao final, o elenco recebe aplausos, mas nota-se um desconforto geral provocado pela força corrosiva do texto de Rieser. Não há trégua e o desfecho é melancólico e depressivo. Saí da sala de espetáculo com a sensação pessimista que o autor dispensa para o futuro do Homem. Mas o dramaturgo avisa: “Mais que uma elegia à humanidade adormecida ou uma previsão pessimista, a peça é um alerta a quem souber ouvi-lo”.

Com um cenário criativo de Marisa Bentivegna, a montagem se vale da sintonia em cena dos quatro atores, com destaque para a sensível interpretação de Eduardo Semerjian e João Bourbonnais. Com ingressos gratuitos, a temporada se estende até 15 de junho e depois reestreia no Teatro do Núcleo Experimental. Confira.

 

 

Peça: A vida útil de todas as coisas, foto 4

Kiko Rieser: autor e diretor

Roteiro:
A vida útil de todas as coisas. Texto e direção: Kiko Rieser. Assistente de direção: Amazyles de Almeida. Elenco: Eduardo Semerjian, João Bourbonnais, Louise Helène e Luciana Ramanzini. Cenário: Marisa Bentivegna. Figurinos: Kleber Montanheiro. Iluminação: Aline Santini. Trilha original: Gregory Slivar. Visagismo: Louise Helène. Design gráfico: Angela Ribeiro. Fotografia: Heloísa Bortz. Vídeo: Ricardo Montenegro. Direção de produção: Selene Marinho.  Produção executiva: Marcela Horta. Produtor Associado: Kiko Rieser.
Serviço:
Oficina Cultural Oswald de Andrade (70 lugares), Rua Três Rios, 363,  tel. 113222-2662. Horários: quinta e sexta às 20h; sábado às 18h. Ingressos: gratuitos. Duração: 95 min. Classificação: 12 anos. Temporada: até 15 de junho.
Teatro do Núcleo Experimental (65 lugares), Rua Barra Funda, 637, tel. 113259-0898. Horários: sexta e sábado às 21h; domingo às 19h. Ingressos: R$ 20 e R$10. Temporada: 28 de junho a 21 de julho.

Marcos Zaccharias Publicitário
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Favo do Mellone

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: