Filme: Eles Voltam, foto 1

Eles Voltam: filme traz choque de realidade de garota de classe média

De em março 19, 2014

Filme: Eles Voltam, foto 1

Maria Luiza Tavares conduz o filme e foi a melhor atriz no Festival de Brasília 2012

A safra do cinema produzido em Pernambuco continua fértil! Eles Voltam, filme de Marcelo Lordello — diretor brasiliense mas que mora em Recife — é mais uma prova desta vitalidade. Depois de ter participado de festivais nos Estados Unidos, Europa e Ásia (com críticas elogiosas nos jornais, inclusive no New York Times), o filme — que recebeu dois prêmios no Festival de Brasília de 2012, melhor filme e melhor atriz para Maria Luiza Tavares — acaba de estrear em diversas salas de exibição pelo Brasil.
A trama tem início com um plano bem aberto de uma estrada; de longe o espectador vê que um carro para, alguém desce e em seguida o automóvel continua viagem. Sem saber do que se trata, a câmera se aproxima e dois jovens estão brigando por um celular: Cristiane de 12 anos, interpretada por Maria Luiza, e Peu (Georgio Kokkosi), seu irmão mais velho, foram deixados pelos pais na estrada como castigo. Aos poucos eles percebem que não era brincadeira e se veem abandonados (a mudança de atitude entre eles é sutil, mas fica evidente que a partir daí eles dependem um do outro para sobreviver). Peu resolve procurar um posto de gasolina e ordena que Cris fique no mesmo local caso os pais voltem para buscá-los. A garota resiste no início, mas concorda; as horas passam e só no dia seguinte ela arrisca a procurar ajuda. O filme passa a acompanhar a menina, que se depara com uma realidade totalmente oposta à que conhece até então.

Filme: Eles Voltam, foto 2

Líder dos sem terra ajuda a garota a voltar pra casa

O primeiro contato externo de Cris é com um garoto que passa de bicicleta e que, depois de muito insistir, consegue convencê-la a ir até sua casa, que fica num assentamento de sem terra, próximo da estrada. Sem titubear, a mãe do garoto oferece o pouco que eles têm para Cris se alimentar (esta sequência me emocionou, pois revela a cordialidade e a solidariedade humana tão presente nas pessoas humildes e sem posses). Depois de comer e dormir, Cris é ciceroneada pela garotinha da casa, enquanto os adultos resolvem o que fazer com ela. Uma líder do grupo, que mora na cidade próxima, assume a responsabilidade de levar a garota até as autoridades policiais. Como o posto está às moscas, a senhora é obrigada a levá-la até sua casa. Mais um choque de realidade, Cris tem de tomar banho de canequinha e, pior, precisa aprender a trabalhar: a senhora faz faxina numa casa de grã-finos, à beira mar, e leva a filha e a garota para ajudá-la. No final do dia, já anoitecendo, elas estão voltando pra casa e Cris se distancia; ela para e entra numa casa luxuosa, que está vazia. Mais uma surpresa para o espectador: aquela casa é a dos pais de Cris! A menina ouve barulho na piscina do vizinho e a moça reconhece Cris.
De volta pra casa, Cris é recebida pelos avós e sabe o porquê do abandono.  Ao retomar a rotina, Cris está modificada e o público constata que houve um crescimento interior profundo na personagem. Isto fica evidente no primeiro diálogo entre Cris e Peu depois da volta da garota.

Filme: Eles Voltam, foto 3

Cartaz do filme dirigido por Marcelo Lordello, que também assina o roteiro

 

Com poucos diálogos e com a câmera muito próxima da protagonista (recurso que provoca cumplicidade com o espectador), Eles Voltam se destaca pela sutileza com que temas profundos são tratados — a diferença de classes sociais, a crítica ao modo de vida pequeno burguês e o choque cultural —, e como tudo isto provoca uma mudança no modo de vida da garota.
Imperdível!

 

 

 

Fotos: divulgação

Tório 2
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: