Peça: Trajetória Sexual, foto 1

Trajetória Sexual: solo despojado de Álamo Facó fecha trilogia

De em outubro 25, 2018

Peça: Trajetória Sexual, foto 1

Álamo Facó em cena de solo de sua autoria: relato de experiências sexuais e amorosas

Numa mistura de realidade e ficção, o monólogo Trajetória Sexual, do ator carioca Álamo Facó, reconta as mais variadas experiências sexuais e afetivas de X (a cada sessão o ator pede sugestão à plateia do nome a ser dado ao personagem). O espetáculo, em cartaz no SESC Ipiranga fecha a trilogia criada pelo ator; os outros dois solos, Mamãe e Talvez , também serão encenados em novembro, dentro do projeto Teatro Mínimo, do Sesc Ipiranga, dedicado a espetáculos intimistas de autores contemporâneos.

Com direção coletiva (de Facó, Renato Linhares e Gunnar Borges), o solo reúne as experiências amorosas e sexuais do personagem, que é uma junção das vivências do próprio ator, de seus amigos e de pessoas que ele conheceu pela vida. O espetáculo é constituído destes relatos de sexo com homens, mulheres e pessoas transexuais, questionando, desta maneira, tabus e preconceitos da sexualidade humana ainda arraigados entre nós em pleno século XXI.

Peça: Trajetória Sexual, foto 2

Ator divide a direção com Renato Linhares e Gunnar Borges

Depois da entrada da plateia, as luzes são apagadas e o ator faz a primeira narrativa totalmente no escuro; ele relata como na infância teve sua iniciação amorosa/sexual com o primo, quando dormiam juntos na casa da tia nas férias escolares. A lembrança da respiração do primo a seu lado e das primeiras sensações táteis ele levou consigo para toda a vida. Os relatos se sucedem, acompanhando o crescimento do personagem, com seus envolvimentos com a namorada, com outros homens, com o primo já adulto, com uma transexual, com mulheres mais experientes.

As descrições sobre as relações sexuais são diretas, sem qualquer tipo de pudor; no entanto estes relatos não se restringem apenas ao sexo. O personagem fala tanto de seus envolvimentos amorosos, sua entrega com as pessoas que conhece, assim como sobre a rejeição e a recusa a uma relação afetiva mais próxima e duradoura.

 

“A peça deseja diminuir barreiras e quebrar tabus sobre temas delicados da sexualidade. O mundo está mudando de forma veloz e, para isso, é preciso uma sociedade que reflita e debata essas mudanças. Enquanto  escrevia este texto, vi o conservadorismo avançar no país. Junto com ele, vi uma juventude, expansiva e libertária, que luta pra não morrer e faz isso brilhando. Por que as pessoas se metem no corpo dos outros?”, questiona Álamo Facó.

 

Muito adequado ao projeto do Sesc (Teatro Mínimo), o espetáculo envolve o espectador, que chega a sentir a pulsação do ator em cena. E este é o grande destaque da montagem: a entrega, a coragem, o despojamento e a atuação visceral de Álamo Facó. Literalmente nu, o ator faz as últimas confissões com a porta aberta da sala de espetáculo, o que enfatiza o tom libertário da peça.

Assisti ao solo na estreia e a trilha, um pouco alta, em alguns momentos atrapalhou e encobriu a fala do ator. No entanto, este problema (facilmente sanável) não prejudicou a tocante e envolvente performance de Facó. Programe-se, a temporada vai só até 11 de novembro.

Peça: Trajetória Sexual, foto 3

Descrição de vivências do ator, de amigos e de pessoas conhecidas dele

Roteiro:
Trajetória Sexual
. Texto e atuação: Álamo Facó. Direção: Álamo Facó, Renato Linhares e Gunnar Borges. Direção de movimento: Marcia Rubin. Cenário: Adriano Carneiro de Mendonça e Antonio Pedro Coutinho. Figurino: Ticiana Passos. Direção musical: Rodrigo Marçal. Trilha sonora: Álamo Facó e Rodrigo Marçal. Iluminação: Bernardo Lorga. Videografismo: Pedro Cadore. Preparação vocal: Sonia Dumont. Fotografia: Rodrigo Ricordi. Produção executiva: Sara Machado e Thamires Trianon. Produção: Álamo Facó e 9 Meses Produções.
Serviço:
Sesc Ipiranga, Auditório (30 lugares), Rua Bom Pastor, 822, tel. 11 3340-2000. Horários: quinta e sexta às 21h30, sábado às 19h30 e domingo às 18h30. Ingressos: R$ 20, R$ 10 e R$ 6. Venda: portal Sesc e suas bilheterias. Classificação: 18 anos. Duração: 70 min. Temporada: até 18 de novembro.
Mamãe: de 15 a 18 de novembro; quinta às 18h30, sexta 21h30, sábado às 19h30 e domingo 18h30.
Talvez: de 22 a 24 de novembro; quinta e sexta às 21h30 e sábado às 19h30.

 

 

Favo do Mellone
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Uba

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: