Kinolab Tela Digital: festival online de curtas-metragens brasileiros

De em abril 21, 2021

 

Mostra de curtas-metragens brasileiros: 20 produções de vários estados

 

Realizadores de comunidades periféricas, de cidades pequenas do país, de aldeias indígenas e de coletivos são os selecionados para participar do Kinolab Tela Digital, festival online de curtas-metragens, que acontece de 21 a 25 de abril, com transmissões gratuitas pelo site Kinoforum. O evento tem direção artística de Vânia Silva e Zita Carvalhosa.

Serão exibidas 20 produções de vários estados (BA, MT, MG,PR, RJ e SP) e os filmes foram divididos em programas cujos temas são Isolamento e Pandemia, Cinema de causa, Processos de criação e A união faz o filme. Os vencedores, além de prêmio em dinheiro, serão exibidos no 32º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum, a ser realizado em agosto de 2021.

 

Todos os filmes participantes do festival foram finalizados em 2020 e neste início de ano, portanto em plena pandemia da Covid-19. A organização do Kinolab deu preferência aos realizadores de comunidades periféricas, os de cidades pequenas, os de aldeias indígenas e os de coletivos com a finalidade de dar maior visibilidade a estes grupos.

 

 

Discussões de temas relacionados à economia criativa no setor audiovisual

 

 

Além da exibição dos curtas-metragens, o evento irá promover palestras online, cujos temas estão relacionados à economia criativa dentro do setor audiovisual: Audiovisual e engajamento, Economia criativa e realização audiovisual, Promoção e gestão de projetos de baixo orçamento e Iniciativas de produção audiovisual coletiva.

 

 

 

 

Acompanhe a seguir os destaques de cada programa dos curtas-metragens brasileiros participantes do festival:

Programa Isolamento e Pandemia:

Alternativas felizes para quando o Sol não vem/SP, de Juliana Santana

Temporal/MG, de Maíra Campos e Michel Ramos. Ser mulher é um estado de devir.

Inês/RJ, de Ricardo Vaz Martins. Durante a pandemia, um homem, confinado em seu apartamento, vê de sua janela os vizinhos sumirem misteriosamente.

O tempo dilatou/CE, de André Moura Lopes e Marco Rudolf. Com mais de 70 anos, Clara está imersa em seu isolamento social: em seu fluxo de consciência, tons pessoais e políticos pontuam suas reflexões.

Despoético/SP, de Natália Grego. Um retrato experimental do sentimento vivenciado pela autora na pandemia.

Mulheres em quarentena/RJ, de Bárbara Tavares. Um retrato íntimo e pessoal de mulheres em quarentena: um mergulho nas suas dúvidas, fraquezas e fortalezas.

Alternativas felizes para quando o Sol não vem/SP, de Juliana Santana. Com medo diante da pandemia, uma mulher idosa relata o que sente sobre a saudade, refletindo sobre a vida e sua trajetória.

 

Programa Cinema de Causa

Equilíbrio/BA, de Olinda Muniz Silva Wanderley

 

Equilíbrio/BA, de Olinda Muniz Silva Wanderley. O discurso da Kaapora, entidade espiritual indígena, norteia a discussão crítica quanto à relação destrutiva de nossa civilização com o planeta. 

Janelas daqui/RJ, de Luciano Vidigal. De suas janelas, moradores relatam críticas, poesias e reflexões sobre a pandemia de Covid-19 na favela do Vidigal.

 

 

Seremos ouvidas/PR, de Larissa Nepomuceno Moreira. Como existir em uma estrutura sexista e ouvinte? Três mulheres surdas com realidade diferentes compartilham suas lutas e trajetórias no movimento feminista surdo.

Aonde vão os pés/PR, de Débora Zanatta. Ela percorre os caminhos da adolescência com coragem para viver seus desejos.

 

 

Programa Processos de Criação

Santa/SP, de David Personagem /Coletivo Luneta Vermelha

 

Santa/SP, de David Personagem /Coletivo Luneta Vermelha. Santa é o apelido de Helena, uma mulher misteriosa que vive trancada em casa, presa a suas idiossincrasias religiosas.

Mandayaki e Takino/MT, de Dadyma Juruna e Yariato Juruna. Um olhar de um momento da vida doméstica que mostra existir futuro possível sendo indígenas no Brasil, desde que suas terras não sejam queimadas e invadidas.

 

 

Iluminar/SP, de Rafael Assunção/Coletivo Mosca Frita. O sol e meus sentimentos, a vida que entra pela janela e a saudade que me afoga.

Três dias com ele/SP, de Rodolfo Groppo Martim. Rodolfo convida seu pai para fazerem um filme juntos e, a partir daí tecem memórias e visões sobre paternidade e masculinidades.

Dois/MG, de Guilherme Jardim e Vinícius Fockiss. Bernardo e Luix buscam aproximação afetiva durante o período de distanciamento social. Em meio ao caos, tentam descobrir outras formas de amar.

Procreare/SP, de Alice Stamato. Vinicius é casado e decide viajar para uma praia distante para descansar; chegando lá, conhece Janaína, uma misteriosa mulher que tem outros planos para ele.

 

 

Programa A União Faz o Filme

O prazer de matar insetos/RJ, de Leonardo Martinelli

25 Anos sem asfalto/SP, de Fabiola Andrade. Rose se empenha para garantir a Pedro um futuro melhor do que uma vida confinada entre as ruas de terra do bairro e o asfalto da cidade.

Banzo/CE, de Rafael Luan. Joana vive uma vida pacata na periferia de Fortaleza até que recebe a notícia do assassinato do filho pela polícia militar.

O prazer de matar insetos/RJ, de Leonardo Martinelli. Em um futuro próximo, a crise climática atinge um ponto irreversível. Uma freira e um padre se encontram para conversar sobre o desaparecimento dos insetos.

Sanatrio/SP, de Leonardo Rodrigues. Três mulheres de meia idade, que residem em um hospital psiquiátrico, anseiam pela liberdade.

 

 

 

Roteiro:
Kinolab Tela Digital – festival de curtas-metragens brasileiros. Transmissão gratuita online pelo site kinoforum.org.br. De
21 a 25 de abril de 2021.

 

 

 

 

 

 

Fotos: divulgação

Favo do Mellone
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: