Pureza: filme com Dira Paes denuncia o trabalho escravo no Brasil

De em maio 21, 2022

Dira Paes protagoniza filme inspirado na vida de Pureza Lopes Loyola

 

Premiado em festivais pelo mundo, acaba de estrear no país — no Recife está em cartaz no Cinema da Fundação Joaquim Nabuco — o filme de Renato Barbieri, Pureza, protagonizado por Dira Paes. Inspirada em história real, a trama relata a saga de Pureza Lopes Loyola, que nos anos 1990 deixou sua casa, numa região pobre do Maranhão, para procurar o filho Abel, interpretado por Matheus Abreu, que partiu para trabalhar no garimpo e assim propiciar vida mais digna para a família.

 

Com sua fé inabalável, Pureza parte em busca de Abel e, em sua trajetória, se emprega como cozinheira numa fazenda. Lá é testemunha de como os trabalhadores eram tratados com violência e sem direitos. Enganados pelo fazendeiro, os homens eram submetidos a um sistema análogo à escravidão. Pureza consegue se livrar e com a ajuda do padre ligado à Pastoral da Terra, vivido por Cláudio Barros, denuncia os abusos. A princípio sua fala é desprezada pelas autoridades e empresários, mas Pureza, amparada por Elenice (Mariana Nunes), funcionária da Justiça do Trabalho, consegue provas e a denúncia prospera.

 

 

 

 

O filme começa com Pureza e Abel trabalhando na confecção de tijolos. O rapaz, sentindo a dificuldade porque passavam, resolve trabalhar no garimpo com o objetivo de melhorar a vida deles. Mesmo a contragosto, Pureza dá sua bênção ao filho. Preocupada com a falta de notícia, ela deixa tudo pra trás e vai procurar Abel, com uma única foto dele. Depois de muita busca, sem sucesso, Pureza é contratada como cozinheira para trabalhar numa fazenda. Lá começa a ter noção do horror onde se meteu: os trabalhadores eram tratados com muita violência e não tinham direito algum. Com a desculpa de fazer compras, Pureza vai à cidade e consegue se livrar do cerco. Com a colaboração do padre, é apresentada a Elenice e ambas vão à Brasília fazer a denúncia. No entanto, lobistas dos fazendeiros, aliados a políticos inescrupulosos, desprezam seu depoimento sobre os abusos e as duas mulheres resolvem colher provas. Pureza volta com o padre à fazenda onde trabalhara e consegue gravar depoimentos dos trabalhadores, além de fotografá-los.

 

 

 

 

Pureza (Dira) e Padre (Cláudio Barros) colhem provas

 

Com as provas, a denúncia de Pureza contra o trabalho escravo toma força e é reconhecida. O governo federal institui um grupo do Ministério do Trabalho que passa a fiscalizar e libertar os trabalhadores. O esforço de Pureza Lopes Loyola foi reconhecido mundialmente: em 1997 ela recebeu em Londres o Prêmio Antiescravidão, concedido pela Anti-Slavery International, organização abolicionista mais antiga em atividade.

 

 

 

 

 

Flávio Bauraqui vive o sanguinário Narciso

Com roteiro assinado pelo diretor e por Marcus Ligocki Junior, o filme emociona pela história forte e contundente de Pureza Lopes Loyola, vivida com brilhantismo por Dira Paes. Destaque também para a interpretação de Flávio Bauraqui, que dá vida ao sangrento capataz Narciso, além da atuação de Matheus Abreu e Mariana Nunes. Hoje em que vivemos um retrocesso no Brasil, com o aumento descontrolado do desmatamento e o abuso com o armamento da população — sem dizer dos desmandos do governo federal nas áreas da educação, saúde e cultura —, Pureza é mais do que bem-vindo, como uma forma de denúncia contra o autoritarismo e a violência desmedida.

 

 

Fotos: divulgação

 

 


2 Comentários

Fatima Bulcao

maio 22, 2022 @ 06:10

Resposta

Com certeza irei assistir!

Maurício Mellone

maio 24, 2022 @ 11:27

Resposta

Fatima,
acho q vc vai curtir, é uma denúncia
contundente de trabalho escravo nos anos 1990.
Mas até hoje vemos fazendas mantendo trabalhadores
em situação análoga à escravidão! Um absurdo, que o filme
ajude na reflexão e no combate a este tipo abusivo de contratação
de mão de obra.
Muito obrigado por sua visita aqui no Favo
Beijos

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: