Monólogo retrata o universo de Jorge Luis Borges

De em maio 23, 2012

João Paulo Lorenzon é o responsável pela criação e concepção do espetáculo

João Paulo Lorenzon acaba de estrear no SESC Consolação, Espaço Beta, o monólogo Eu vi o Sol brilhar em toda a sua glória, seu segundo trabalho que tem como cerne o universo do escritor argentino Jorge Luis Borges. Em 2008 o ator encenou Memória do Mundo, que focava a solidão como fonte de prazer e criatividade. Desta vez Lorenzon dedicou-se durante dois anos à pesquisa sobre a vida e a obra de Borges e no monólogo, baseado em imagens de contos, poemas e dados biográficos do escritor, ele propõe uma reflexão sobre a memória e o esquecimento, a luz e a cegueira, o sonho e a realidade, sobre as perdas e, principalmente, sobre a vida e a morte, temas bem comuns ao universo borgeano.
Ao entrar na sala de espetáculo, o espectador é conduzido a experimentar sensações; na penumbra, as pessoas precisam caminhar entre blocos de concreto até chegar às cadeiras. A pouca iluminação, em seguida, é apagada para que o ator inicie sua fala. O breu coloca o espectador na mesma condição da cegueira, que Borges vivenciou durante anos, até sua morte. Fiz questão de fechar os olhos para intensificar a experiência proposta pela montagem: a poesia e o clima de introspecção do autor calam fundo graças à voz potente e expressiva de Lorenzon.

 Sonhamos com o que esquecemos’

O texto criado pelo ator — que recebeu a supervisão do crítico literário Davi Arrigucci Jr — é baseado nos contos A Escrita do Deus, O Imortal e As Ruínas Circulares. Além de viver Borges — a cena em que ele de bengala vai tateando os blocos de concreto do cenário emociona — Lorenzon interpreta personagens criados pelo escritor:

Este homem no palco pode ser Borges, mas também seu personagem, assim como os outros que virão: Beatriz, Argos, o troglodita ou Demócrito de Abdera, todos presentes na obra do escritor”, explica o ator.

 

 

 

A profundidade da obra borgeana e o vigor com que Lorenzon imprime em casa cena atingem o espectador de maneira avassaladora. A iluminação, assinada por Lúcia Chedieck, funciona como elemento intrínseco à narrativa. Outro destaque é a trilha sonora de Manuel Pessoa que contribui para compor o clima do universo de Borges.

Na peça, Lorenzon vive Borges e alguns de seus personagens

No entanto, João Paulo Lorenzon merece todos os louros. Em Eu vi o Sol brilhar em toda a sua glória o ator é o responsável pela pesquisa, criação do texto e pela interpretação visceral e envolvente. Saí do espetáculo muito impactado e precisei redigir, ainda no teatro, algumas referências para esta resenha. O espetáculo permanece em cartaz até o dia 25 de junho, não perca!

 

Nós somos o que perdemos’

 

Fotos: Maurizio Mancioli

Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: