Peça: Dez Encontros, foto 1

Tania Khalill e André Garolli vivem no palco várias situações amorosas

De em janeiro 21, 2015

Peça: Dez Encontros, foto 1

André Garolli e Tania Khalill em dez cenas dão vida a cinco personagens cada um

Num jogo cênico envolvente, os atores Tania Khalill e André Garolli dão vida a cinco personagens de classes sociais, profissões, personalidades e estilos de vida completamente diferentes que se encontram e travam relações amorosas conflitantes.
Na peça do dramaturgo inglês David Hare, Dez Encontros (The Blue Room), dirigida por Isser Korik e que está em cartaz no Teatro Folha, os sentimentos mais pungentes entre um homem e uma mulher — amor, paixão, sedução, ciúme, traição, repulsa e atração sexual — são postos à prova em dez esquetes, recheadas de humor.

Peça: Dez Encontros, foto 2

Os personagens de Garolli e Tania são de classes sociais, profissões, personalidades e estilos de vida bem diferentes

O dramaturgo britânico criou a peça The Blue Room, baseada no texto Reigen, escrito em 1897 por Arthur Schnitzler, já pensando em ser encenada por dois atores. De acordo com o diretor (que também assina a tradução da peça), todos os personagens do texto original foram transpostos para o universo urbano contemporâneo, com os encontros e desencontros apresentados de forma sintética.
O que prende a atenção do espectador é exatamente esta troca de situações e personagens a cada esquete: do casal do primeiro encontro, um permanece em cena e o outro volta na pele de um novo personagem para a cena seguinte, assim sucessivamente nos dez encontros, formando uma interessante ciranda.
Os elementos que compõem os cenários, assinados por Gilberto Gawronski, são em número reduzido e trocados rapidamente entre uma cena e outra, graças ao trabalho afinado dos contrarregras, o que contribui para a agilidade narrativa.
No entanto, os conflitos e dilemas surgidos dos encontros e desencontros dos casais (traição, fidelidade, possessividade, posturas machistas e conservadoras na relação a dois) são muito pouco explorados no espetáculo. Senti falta de uma discussão mais profunda e atual, em que o modelo do par romântico tradicional fosse questionado e posto em xeque. A forma (o jogo cênico, a troca de personagens entre os dois atores) é enfatizada em detrimento do conteúdo (os reais conflitos da relação amorosa nos dias atuais).


Fotos: Bob Souza

Marcos Zaccharias Publicitário
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Uba

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: