Anatomia Frozen: montagem primorosa

De em julho 27, 2010

Joca Andreazza e Paulo Marcello em Anatomia Frozen

Quem conhece o trabalho da Companhia Razões Inversas, dos sucessos como Senhorita Else, A Bilha Quebrada e principalmente Agreste, já sabe o que esperar de Anatomia Frozen. Novamente Marcio Aurelio reuniu no palco os fabulosos Joca Andreazza e Paulo Marcello (de Agreste) para contar essa instigante história, que mescla três narrativas: a psiquiatra que escreve uma tese sobre o comportamento de assassinos em série, o pedófilo condenado a prisão perpétua e a mãe de uma das vítimas do prisioneiro.
Num cenário totalmente asséptico e cirúrgico, os atores também aparecem de branco e ficam congelados: enquanto o prisioneiro (Joca) relata suas experiências, a psiquiatra (Paulo) está imóvel no ponto oposto a ele; a posição se inverte quando o público toma conhecimento do estudo da médica. Não há diálogo o que torna mais tensa a trama, principalmente quando o autor disseca a psicopatia social. Com exemplos de assassinatos tão bárbaros e horripilantes ocorridos ultimamente no Brasil, o texto de Lavery (traduzido por Rachel Ripani) torna-se ainda mais pungente e corrosivo.
A direção de Marcio Aurelio, que também responde pela iluminação, cenário e trilha sonora, é sensível e criativa, merecedora de todos os prêmios recebidos. O espetáculo terminou a temporada em São Paulo no último domingo — corri para não perder a derradeira apresentação por aqui e saí de lá em estado de graça! Mas a peça continua sua carreira pelo país e deve voltar aos palcos paulistanos em breve, principalmente porque a companhia está completando 20 anos e os atores prometeram, nos agradecimentos finais no último domingo, que farão uma mostra do repertório deles em 2011.


Deixe comentário

Deixe uma sugestão





Deixe uma sugestão

Indique um evento





Indique um evento