Peça: Dias de Vinho e Rosas, foto 1

Dias de Vinho e Rosas: nove anos da conturbada vida de um casal

De em abril 1, 2015

Peça: Dias de Vinho e Rosas, foto 1

Carolina Mânica e Daniel Alvim interpretam o casal irlandês Mona e Donal

O ator Fabio Assunção pela segunda vez assume a função de diretor teatral: depois de O Expresso do Pôr do Sol, em 2012, com Dias de Vinho e Rosas, em cartaz no Viga Espaço Cênico, ele é o responsável pela direção e concepção do espetáculo.
Com tradução da também atriz Clara Carvalho, a peça do dramaturgo irlandês Owen MacCafferty é baseada na série televisiva de James Miller exibida com sucesso em 1958, que também deu origem ao filme Vício Maldito, de Blake Edwards de 1962. No entanto, a peça do irlandês é uma recriação contemporânea do encontro amoroso entre Mona, vivida por Carolina Mânica, e Donal, papel de Daniel Alvim. Em nove cenas o espetáculo retrata os nove anos desta relação, que vai desde o encantamento inicial, a euforia movida a muito álcool até o estranhamento, o desgaste e a previsível e melancólica separação do casal.

Peça: Dias de Vinho e Rosas, foto 2

O apostador profissional e a professora caminham do encantamento à repulsa

Com o palco totalmente vazio e os atores já presentes — não há coxia, eles trocam de figurino na frente do público e montam os cenários em cada cena —, a peça tem início no saguão do aeroporto de Belfast/Irlanda. Jovens e idealistas, Mona, que é professora, e Donal, um apostador profissional de corridas de cavalo, estão de mudança para Londres, capital inglesa, em busca de novos horizontes e crescimento profissional. A atração é imediata e em pouco tempo eles estão casados e com um filho.
No entanto, o terceiro elemento, e de fundamental importância neste relacionamento, é o álcool. No início a bebida ajuda a descontrair e ser o elo entre eles. Mas com o tempo tudo se altera: Mona fica só em casa cuidando do filho e não controla mais o vício, enquanto Donal bebe a todo o instante no trabalho e exageradamente durante as corridas de cavalo, à noite. Além do efeito corrosivo provocado pelo álcool, o desgaste e o distanciamento entre eles irão inviabilizar qualquer tipo de reconciliação do casal.
Para o diretor, a montagem não propõe um julgamento moral dos personagens, a discussão é mais profunda:

“Esta é uma peça moderna, atual, que discute o amor e a desconstrução dele no complexo contexto das grandes cidades e a busca desesperada pelo prazer, tornando os seres hedonistas e infelizes. O texto mostra como o desgaste do cotidiano causa a implosão do amor”, define Fabio Assunção.

Peça: Dias de Vinho e Rosas, foto 3

Fabio Assunção responde pela direção e concepção do espetáculo

Além da direção despojada, Dias de Vinho e Rosas deve ser ressaltada pela iluminação de Caetano Vilela, pela concepção cenográfica minimalista de Fábio Namatame e pela providencial direção musical do mestre Egberto Gismonti. Com um texto denso e sem concessões — a degradação que o álcool provoca em Mona e Donal é desconcertante para o público —, o grande destaque do espetáculo é para a interpretação visceral de Carolina Mânica e Daniel Alvim, que defendem seus personagens com muita verdade. Confira, a temporada se estende até final de junho.

 

 

Fotos: Priscila Prade

Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Uba

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: