Escolhido pela crítica como o melhor filme do Festival de Gramado deste ano, O Silêncio do Céu, do brasileiro Marco Dutra, retrata o drama de um casal em que a mulher Diana, interpretada por Carolina Dieckmann, é, já na cena inicial, violentada por dois homens em sua própria cama. O inusitado deste ato abominável é que o marido, Mario, vivido pelo ator argentino Leonardo Sbaraglia, presencia tudo e, com medo, não reage imediatamente para impedir tamanha violência contra a esposa; quando resolve atacar os agressores, eles já haviam deixado a casa. Ambos, Diana e Mario, adotam atitude semelhante, ou seja, não conversam sobre o acontecido, criando desta maneira um vazio silencioso entre eles, que encoberta segredos da vida íntima de cada um deles que o espectador vai descobrindo com o desenrolar da trama. O romance Era el Cielo do argentino Sergio Bizzio serviu de base para o roteiro do filme, escrito pelo próprio Bizzio em parceria com Caetano Gotardo e Lucia Puenzo e rodado totalmente em Montevideo, capital do Uruguai. (leia mais) O que chama a atenção e faz com que o espectador se ligue à história desde o início é a forma de narrar: a cena do estupro e a reação tanto de Diana como de Mario diante do fato são mostradas duas vezes, evidenciando o ponto de vista de cada um dos cônjuges. Evitar tocar no assunto, silenciar diante do ato violento têm razões distintas tanto para a mulher como para o marido e aos poucos o espectador vai montando o quebra-cabeça da trama e descobrindo os segredos não revelados tanto de Diana como de Mario. Utilizando do recurso narrativo em off, o diretor mostra o mundo interior dos personagens, principalmente o de Mario, que se debate com tantos medos diante da vida; para tentar superar alguns destes medos é que ele passa a investigar os atores do crime. No entanto, a opção do casal pelo silêncio diante do estupro — com reações distintas, ele em tentar descobrir os criminosos e ela em omitir o período em que estiveram separados — provoca um distanciamento e não uma aproximação entre eles. Além do modo criativo de narrar e um roteiro instigante, o filme se destaca pelas interpretações, tanto dos atores centrais (Carolina e Leonardo) como dos coadjuvantes, a veterana atriz uruguaia Mirella Pascual, o argentino Chino Darín (filho de Ricardo Darín) e a brasileira Paula Cohen. Não perca! Fotos: divulgação

O Silêncio do Céu: Carolina Dieckmann vive vítima de abuso sexual

De em setembro 23, 2016

Escolhido pela crítica como o melhor filme do Festival de Gramado deste ano, O Silêncio do Céu, do brasileiro Marco Dutra, retrata o drama de um casal em que a mulher Diana, interpretada por Carolina Dieckmann, é, já na cena inicial, violentada por dois homens em sua própria cama. O inusitado deste ato abominável é que o marido, Mario, vivido pelo ator argentino Leonardo Sbaraglia, presencia tudo e, com medo, não reage imediatamente para impedir tamanha violência contra a esposa; quando resolve atacar os agressores, eles já haviam deixado a casa. Ambos, Diana e Mario, adotam atitude semelhante, ou seja, não conversam sobre o acontecido, criando desta maneira um vazio silencioso entre eles, que encoberta segredos da vida íntima de cada um deles que o espectador vai descobrindo com o desenrolar da trama. O romance Era el Cielo do argentino Sergio Bizzio serviu de base para o roteiro do filme, escrito pelo próprio Bizzio em parceria com Caetano Gotardo e Lucia Puenzo e rodado totalmente em Montevideo, capital do Uruguai. (leia mais) O que chama a atenção e faz com que o espectador se ligue à história desde o início é a forma de narrar: a cena do estupro e a reação tanto de Diana como de Mario diante do fato são mostradas duas vezes, evidenciando o ponto de vista de cada um dos cônjuges. Evitar tocar no assunto, silenciar diante do ato violento têm razões distintas tanto para a mulher como para o marido e aos poucos o espectador vai montando o quebra-cabeça da trama e descobrindo os segredos não revelados tanto de Diana como de Mario.  Utilizando do recurso narrativo em off, o diretor mostra o mundo interior dos personagens, principalmente o de Mario, que se debate com tantos medos diante da vida; para tentar superar alguns destes medos é que ele passa a investigar os atores do crime. No entanto, a opção do casal pelo silêncio diante do estupro — com reações distintas, ele em tentar descobrir os criminosos e ela em omitir o período em que estiveram separados — provoca um distanciamento e não uma aproximação entre eles. Além do modo criativo de narrar e um roteiro instigante, o filme se destaca pelas interpretações, tanto dos atores centrais (Carolina e Leonardo) como dos coadjuvantes, a veterana atriz uruguaia Mirella Pascual, o argentino Chino Darín (filho de Ricardo Darín) e a brasileira Paula Cohen. Não perca! Fotos: divulgação

Carolina Dieckmann interpreta Diana em filme de Marco Dutra baseado em romance do argentino Sergio Bizzio

Escolhido pela crítica como o melhor filme do Festival de Gramado deste ano, O Silêncio do Céu, do brasileiro Marco Dutra, retrata o drama de um casal em que a mulher Diana, interpretada por Carolina Dieckmann, é, já na cena inicial, violentada por dois homens em sua própria cama. O inusitado deste ato abominável é que o marido, Mario, vivido pelo ator argentino Leonardo Sbaraglia, presencia tudo e, com medo, não reage imediatamente para impedir tamanha violência contra a esposa; quando resolve atacar os agressores, eles já haviam deixado a casa. Ambos, Diana e Mario, adotam atitude semelhante, ou seja, não conversam sobre o acontecido, criando desta maneira um vazio silencioso entre eles, que encoberta segredos da vida íntima de cada um deles que o espectador vai descobrindo com o desenrolar da trama.
O romance Era el Cielo do argentino Sergio Bizzio serviu de base para o roteiro do filme, escrito pelo próprio Bizzio em parceria com Caetano Gotardo e Lucia Puenzo e rodado totalmente em Montevideo, capital do Uruguai.

Filme: O Silêncio do Céu, foto 2

Leonardo Sbaraglia vive Mario, que presencia o estupro da esposa

O que chama a atenção e faz com que o espectador se ligue à história desde o início é a forma de narrar: a cena do estupro e a reação tanto de Diana como de Mario diante do fato são mostradas duas vezes, evidenciando o ponto de vista de cada um dos cônjuges. Evitar tocar no assunto, silenciar diante do ato violento têm razões distintas tanto para a mulher como para o marido e aos poucos o espectador vai montando o quebra-cabeça da trama e descobrindo os segredos não revelados tanto de Diana como de Mario.
Utilizando do recurso narrativo em off, o diretor mostra o mundo interior dos personagens, principalmente o de Mario, que se debate com tantos medos diante da vida; para tentar superar alguns destes medos é que ele passa a investigar os atores do crime. No entanto, a opção do casal pelo silêncio diante do estupro — com reações distintas, ele em tentar descobrir os criminosos e ela em omitir o período em que estiveram separados — provoca um distanciamento e não uma aproximação entre eles.

Filme: O Silêncio do Céu, foto 3

Cartaz do filme premiado no Festival de Gramado/16

 

 

Além do modo criativo de narrar e um roteiro instigante, o filme se destaca pelas interpretações, tanto dos atores centrais (Carolina e Leonardo) como dos coadjuvantes, a veterana atriz uruguaia Mirella Pascual, o argentino Chino Darín (filho de Ricardo Darín) e a brasileira Paula Cohen. Não perca!

 

 

 

 

 

 

 

Fotos: divulgação

Favo do Mellone
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Favo do Mellone

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: