Peça: Genet-o poeta ladrão, foto 1

Genet o poeta ladrão: montagem de Sergio Ferrara disseca escritor francês

De em outubro 23, 2013

Peça: Genet-o poeta ladrão, foto 1

No palco, 10 atores vivem personagens centrais da obra de Genet: ladrões, gays, prostitutas, cafetões e travestis

Um teatro tradicional não poderia reproduzir fielmente o universo nebuloso e marginal da obra do escritor, poeta e dramaturgo francês Jean Genet. O local escolhido para a montagem de Genet o poeta ladrão, peça de Zen Salles que acaba de estrear na cidade, é ideal: o alternativo Espaço Beta, do SESC Consolação, que está devidamente adaptado para retratar o submundo da obra de Genet.
Logo ao entrar, o público é convidado a se sentar em duas arquibancadas, que ficam em paralelo à pequena sala retangular. Desta forma, a plateia assiste a tudo de camarote, como se estivesse de frente a uma rua, onde ladrões, gays, prostitutas, gigolôs, travestis ganham a vida.
A convite do diretor Sergio Ferrara, Zen Salles escreveu o texto tendo como fonte de pesquisa a autobiografia do escritor, Diário de um ladrão, e Genet: uma biografia, de Edmund White, além de personagens e situações das peças e livros do dramaturgo, como Nossa Senhora das Flores, O Balcão, As Criadas.

Não sou totalmente fiel à história de vida dele. Nem ele mesmo o foi, como costumava dizer. O Genet que me interessa é o que habita as sombras, o Genet que ama os que erram, o Genet que tem tesão pelo crime, o Genet que é poeta e, como tal, sabe esgotar o mundo com a sua poesia viva”, explica Zen Salles.

Peça: Genet-o poeta ladrão, foto 2

De pé de costas, Genet, interpretado por Ricardo Gelli, rodeado de seus personagens

Dentro desta proposta de licença poética, a peça começa exatamente em 1969, quando Genet veio ao Brasil para a estreia de O Balcão, montagem revolucionária de Ruth Escobar e dirigida pelo argentino Victor Garcia. Ao saber que vivíamos numa ditadura e que muitos artistas eram presos, Genet se identifica com a situação e relembra sua juventude vivida nos anos 40 em Paris, onde foi preso inúmeras vezes.
De forma fragmentada e sem cronologia, as cenas mesclam desde momentos da realidade (com Genet se prostituindo como garoto de programa), até seu confinamento na prisão (onde começa a escrever sobre mundo das ruas) e seus delírios.
Em entrevista exclusiva a Michel Fernandes, do site Aplauso Brasil, o diretor explica a concepção da montagem:

 

“Trabalhei com os atores a possibilidade de revelarmos em cena, por meio do texto e de imagens, a união entre o sagrado e o profano, elementos recorrentes na literatura de Genet. Com uma linguagem fragmentada constituída de cenas curtas e objetivas, trabalhamos estados alterados de consciência da personagem central (Genet) que, em delírio e devaneio, vê e imagina o mundo de acordo com sua loucura, na solitária de um presídio”, diz Sergio Ferrara.

 

Peça: Genet - o poeta ladrão, foto 3

Nicolas Trevijano, como Divina, abraça Genet (Gilli)

 

A montagem é vigorosa, eletrizante e prende a atenção do espectador desde a entrada. O elenco é coeso e os atores, além de lindos, estão entregues de forma visceral ao universo de Genet; difícil ressaltar a interpretação de um em detrimento dos demais, mas Ricardo Gelli como Genet e Nicolas Trevijano vivendo Divina, têm performances arrebatadoras — a cena em que ambos se veem pela primeira vez na Taberna é emblemática, com o tempo paralisado para o encontro de duas almas gêmeas.
Sergio Ferrara confessou ao Aplauso Brasil que desde 1980 pensa em montar Jean Genet e que com este trabalho iria “viver um raro momento da minha vida de diretor”. Tenha certeza, Ferrara, Genet o poeta ladrão é sem dúvida uma das grandes montagens do ano e um marco em sua carreira profissional.

Fotos: Vivian Fernandez

Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Marcos Zaccharias Publicitário

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: