Filme: Vazante, foto 1

Vazante: num Brasil escravocrata, o drama de uma família em decadência

De em novembro 14, 2017

Filme: Vazante, foto 1

Luana Nastas e Adriano Carvalho vivem o casal dono da decadente fazenda de mineração

Rodado em preto&branco, Vazante, filme de Daniela Thomas, se passa no início do século XIX, quando o Brasil viva um momento de crise — parece que nunca saímos desta situação! —, com o final da era da mineração e a economia necessitando de renovação. A trama mostra o drama de um fazendeiro português, Antonio interpretado por Adriano Carvalho, que com o fim da extração de diamantes em suas terras em Minas Gerais, precisa reorganizar seus negócios, assim como sua vida emocional, já que sua esposa acabara de morrer durante o parto do primogênito, que também faleceu. Além desta história dramática, o filme retrata o período escravocrata do país, em que as relações de trabalho eram extremamente violentas, desumanas e imperava a incomunicabilidade entre todos.

Filme: Vazante, foto 2

Período da escravatura, com aviltantes relações de trabalho

As primeiras cenas já indicam o tom da história: em plena chuva, negros fortemente acorrentados seguem em fila a caravana do tropeiro Antonio; depois de dias, eles chegam à sede da fazenda, onde o patrão recebe a notícia da morte da esposa e da criança. Os negros que vieram com Antonio haviam desembarcado da África e se juntam aos demais escravos da fazenda. No entanto, eles não falam a mesma língua e a falta de diálogo e entendimento é geral. Como a extração de diamantes está cada vez mais difícil Antonio aceita a ajuda do negro Jeremias, vivido por Fabrício Boliveira, que tem noções sobre lavoura e vai ensinar os escravos a plantar na fazenda. Negro, Jeremias trata os escravos com a mesma prepotência dos patrões brancos.
Paralelamente, Antonio se interessa pela jovem Beatriz (Luana Nastas), filha de seus cunhados Bartolomeu e Ondina (Roberto Audio e Sandra Corveloni). Eles se casam, mas a menina é muito jovem e demora a eles consumarem o casamento. Nas longas viagens de Antonio, Beatriz sente-se só — os pais e a irmã voltaram para a antiga cidade onde moravam e em casa ela só tem a avó, vivida por Juliana Carneiro da Cunha, que está com demência. Ela então passeia pela fazenda com Virgílio (Vinícius dos Anjos), filho de uma escrava e da mesma idade que ela.

Filme: Vazante, foto 3

Negros acorrentados até chegarem à fazenda

 

Com roteiro assinado pela diretora e por Beto Amaral, o filme tem um ritmo lento e arrastado, as situações se desenvolvem de forma muito devagar, talvez aos moldes do que acontecia no interior do país, nas fazendas no século XIX. A falta de diálogo, o silêncio e a incomunicabilidade são explorados pela diretora à exaustão, o que pode incomodar as plateias do mundo virtual e globalizado de hoje em dia. Além de uma fotografia impactante, destaque para a atuação de Adriano Carvalho na pele do enigmático fazendeiro, de Juliana Carneiro da Cunha, que sem fala transmite suas emoções somente pelo olhar, e da estreante Luana Nastas.

 

 

 

 

Fotos: divulgação

 

 


Deixe comentário

Deixe uma sugestão





Deixe uma sugestão

Indique um evento





Indique um evento