Peça: À Beira do Abismo me Cresceram Asas, foto 1

À Beira do Abismo me Cresceram Asas: olhar terno e profundo para a velhice

De em junho 27, 2013

Peça: À Beira do Abismo me Cresceram Asas, foto 1

Maitê Proença e Clarisse Derzié Luz dão vida às velhinhas Terezinha e Valdina, que moram no asilo

Depois de viajar pelo país, a peça À Beira do Abismo me Cresceram Asas chegou à cidade e permanece em cartaz no Teatro FAAP até agosto. O espetáculo tem assinatura da atriz Maitê Proença: a partir da pesquisa de Fernando Duarte, ela escreveu a peça e dirige em parceria com Clarice Niskier, além de atuar ao lado de Clarisse Derzié Luz. O enredo traz duas velhinhas viúvas, de temperamentos completamente diferentes, que se conheceram no asilo e viraram grandes e inseparáveis amigas. Terezinha, vivida por Maitê, tem 86 anos e é um tanto aborrecida por ter de morar no asilo, já que tem três filhos, que nunca a visitam; já Valdina, de 80 anos, papel de Clarisse, é alegre, otimista e só pensa no presente (na verdade, recusa-se a lembrar do passado). Elas se completam e, em suas conversas diárias, refletem sobre o tempo, amizade, sexo, amor e sobre as delícias de viver. E como têm grande experiência, questionam o sentido da vida e da morte.
O público ao entrar na sala já é envolvido no clima do espetáculo: as duas atrizes já estão em cena, cada uma de um lado do palco, terminando a maquiagem e arrumando o figurino. E como som ambiente, músicas do cancioneiro nacional que são tocadas no asilo e que dizem respeito ao universo das duas velhinhas.
A diretora, no programa da peça, conta que elas receberam a orientação e supervisão de Amir Haddad para a composição das personagens:

 

“Ele nos indicou que não fizéssemos composição de velhas, mas que pensássemos no arquétipo feminino delas. Envelhecer não é se fechar, é sobre isso a nossa peça”, afirma Clarice Niskier.

 

Já Maitê tem uma definição muito clara sobre Terezinha e Valdina:

“Nossas velhas são porretas, contam histórias, falam de tudo sem medir palavras. São inteligentes, perspicazes e muito amigas. Valdina é uma mistura de Dercy Gonçalves e Ivete Sangalo e a Terezinha é uma Laura Cardoso. São complementares e juntas podem tudo!”.

Peça: À Beira do Abismo me Cresceram Asas, fot  2

A personagem de Clarisse é alegre e otimista e a de Maitê não se conforma por ter sido abandonada pelos filhos

Além das conversas entre as duas amigas, outro recurso utilizado no texto é uma entrevista que Terezinha concede a um repórter imaginário, que pode muito bem ser a própria plateia. Como um monólogo, a personagem discorre sobre sua experiência de vida e diz que não se vê só como uma velha, mas que dentro dela convive a criança que tinha sonhos, a adolescente enamorada, a mulher casada e mãe de filhos, além da avó dos dias atuais. Este recorte da peça me deixou muito emocionado.
O cenário simples e extremamente prático (assinado por Cristina Novaes) é um dos destaques de À Beira do Abismo me Cresceram Asas, que tem como ponto alto a interpretação sensível e generosa de Maitê e Clarisse. A entrega total das duas atrizes para as personagens emociona e envolve o público. Este espetáculo me remeteu a outro de grande sucesso e impacto, Uma Relação Tão Delicada, de Maria Adelaide Amaral, com Irene Ravache e Regina Braga, em que a velhice também era tratada com delicadeza e profundidade.
Imperdível, principalmente para mamães e vovós de todas as idades!

Fotos: Renata Dillon

Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro

Deixe comentário

Deixe uma sugestão




Deixe uma sugestão

Indique um evento




Indique um evento