Peça: Os sete afluentes do Rio Ota, foto 1

Os Sete Afluentes do Rio Ota: épico revê últimos 50 anos do século XX

De em novembro 6, 2019

Peça: Os sete afluentes do Rio Ota, foto 1

Caco Ciocler e Marjorie Estiano dão início ao épico de Robert Lepage

 

 

 

Uma superprodução, sob a direção de Monique Gardenberg, com 15 atores em cena, o épico do canadense Robert Lepage, Os Sete Afluentes do Rio Ota, está de volta aos palcos depois de 17 anos. Como da primeira montagem, o Teatro Paulo Autran do SESC Pinheiros abriga o espetáculo, que remonta a saga de uma família vítima da bomba atômica em Hiroshima, em 1945, e acompanha a trajetória de seus descendentes até o início deste nosso século.

 

 

Com mais de 5 horas de duração, o espetáculo conta com um prólogo e sete capítulos — Fotografias/Hiroshima, 1945, Jeffreys 2/Nova York, 1965, Palavras /Osaka, 1970, Um casamento/Amsterdã, 1985, O Espelho/Hiroshima, 1986 e Polônia, 1943, A Entrevista/Hiroshima, 1995/ e Trovão/Hiroshima, 2000. A trama, portanto, se passa entre várias cidades e continentes e abrange os últimos 50 anos do século XX, numa reflexão sobre a vida e a morte, ressaltando as inquietações e expectativas do ser humano. O elenco de 15 atores se divide em diversos personagens, com destaque para a atuação de Caco Ciocler, Giulia Gam, Marjorie Estiano, Jiddu Pinheiro, Helena Ignez, Johnny Massaro e Bel Kowarick.

 

 

 

 

Peça: Os sete afluentes do rio Ota, foto 2

Jiddu Pinheiro e Caco interpretam os irmãos Jeffrey

 

Muito conhecida como cineasta — dirigiu entre outros longas-metragens Jenipapo/1996, Benjamim/2003 e Ó Paí Ó/2007—, a baiana Monique Gardenberg imprime plasticidade à peça: com o uso de vídeos e legendas para os diversos idiomas ao lado da sensível iluminação de Maneco Quinderé e do rico cenário do saudoso Hélio Eichbauer, ela ressalta a poesia e a delicadeza do texto épico do dramaturgo canadense.

 

 

 

 

O espectador é enredado para a história desde a primeira cena e a cada capítulo vai juntando as peças deste enorme quebra-cabeça. Desta forma, vê o início do romance entre o militar norte-americano e a vítima da bomba atômica, em 1945, depois acompanha os dois filhos deste mesmo militar que se conhecem em Nova York 20 anos depois e assim sucessivamente até conhecer o neto daquele militar que fotografou o interior das habitações japonesas depois da explosão nuclear.

 

 

“Quando vi espetáculo de Lepage em 1996, tive a certeza de estar diante de uma obra-prima, de uma experiência teatral sem precedentes, em que o teatro transcende o palco, as limitações técnicas para viajar pelo tempo e pelo espaço. Ao atravessar os últimos 50 anos do século XX, esta obra nos revela, com toda a poesia e delicadeza, nossa comovente insignificância e complexa humanidade”, diz Monique Gardenberg.

 

 

 

 

 

 

Peça: Os sete afluentes do rio Ota, foto 3

Caco, Jiddu e Chandelly Braz: cena comovente que finaliza primeira parte da peça

Sem dúvida Os Sete Afluentes do Rio Ota é um marco da dramaturgia contemporânea. Assim como a produção brasileira, o autor canadense acaba de reestrear a peça em Moscou/Rússia. Para Gardenberg, “os tempos obscuros pelo qual o mundo passa” talvez tenha sido a motivação para as duas remontagens. Por aqui o espetáculo fica em cartaz até 1º de dezembro. Apresentada em dois atos (um intervalo de 20 minutos), a produção encerra a primeira parte de forma contundente: a opção encontrada pelo personagem vítima de Aids causa uma emoção superlativa! Na volta do intervalo, a trama não consegue manter o mesmo tom e algumas cenas se arrastam. Um corte severo deixaria a peça num ritmo mais adequado e menos cansativo.

 

 

 

 

No entanto, mesmo com mais de 5 horas de duração, a encenação é grandiosa, envolvente. A interpretação e sintonia do numeroso elenco é o maior suporte da montagem. Destaque para sensível e emocionante performance de Caco Ciocler (incrível sua versatilidade em cena), assim como de Giulia Gam e Helena Ignez. Johnny Massaro e Jiddu Pinheiro também estão surpreendentes, e Marjorie Estiano, que vive uma introspectiva e tímida japonesa e depois uma repórter audaciosa e fútil, mostra a força de seu talento. Prepare-se para uma verdadeira maratona dramatúrgica, mas que vale a pena.

 

Peça: Os sete afluentes do rio Ota, foto 4

Chandelly e Johnny Massaro encerram a saga

Roteiro:
Os Sete Afluentes do Rio Ota. Texto: Robert Lepage. Direção e adaptação: Monique Gardenberg. Elenco: Bel Kowarick, Caco Ciocler, Chandelly Braz, Charly Braun, Giulia Gam, Helena Ignez, Jiddu Pinheiro, Johnny Massaro, Ligia Yamaguti, Lorena da Silva, Madalena Bernardes, Marjorie Estiano, Sergio Maciel, Silvia Lourenço e Thierry Tremouroux. Codireção: Michele Matalon. Cenário: Hélio Eichbauer. Figurino: Marcelo Pies. Iluminação: Maneco Quinderé. Visagismo: Sonia Penna. Trilha sonora:José Augusto Nogueira.Fotografia: André Gardenberg. Direção de movimento: Marcia Rubim. Produção executiva: Ciça Castro Neves. Produção: DUETO.
Serviço:
SESC Pinheiros, Teatro Paulo Autran (1010 lugares), Rua Paes Leme, 195, tel. 11 3095.9400. Horários: de quinta a domingo às 18h. Ingressos: de R$ 15 a R$ 50. Bilheteria: de terça a sábado das 10h às 21h; domingo e feriados das 10h às 18h. Vendas online no site do Sesc. Duração: 300 minutos (com intervalo de 20 minutos). Classificação: 14 anos. Temporada: até 1º de dezembro.

Marcos Zaccharias Publicitário
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Favo do Mellone

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: