Filme: Como nossos pais, foto 1

Como nossos pais: filme de Laís Bodanzky discute relações familiares

De em setembro 5, 2017

Filme: Como nossos pais, foto 1

Elenco: Maria Ribeiro, Cazé Peçanha, Gabrielle Lopes, Clarisse Abujamra, as meninas Sophia Valverde e Annalara Prates e Paulo Vilhena

Vencedor de seis troféus Kikitos no último Festival de Cinema de Gramado — filme, direção, atriz, ator, atriz coadjuvante e montagem —, Como nossos pais, filme da diretora Laís Bodanzky, discute as relações de uma família contemporânea a partir de uma revelação de um segredo. O foco central da discussão é a difícil relação entre mãe e filha, vividas por Clarisse Abujamra e Maria Ribeiro.
Logo na primeira cena, um tradicional almoço de domingo com toda a família, Rosa (Maria) que está em crise conjugal com Dado, vivido por Paulo Vilhena, dá umas alfinetadas no marido e Clarice (Clarisse) toma as dores do genro; a discussão tem início e Clarice abre o jogo, de forma direta e ríspida. Confessa que teve um caso extraconjugal e Rosa é fruto desta relação. Pronto, esta revelação cai como uma bomba na família e Rosa, que já vivia frustrada tanto emocional como profissionalmente, entra em crise e resolve se reinventar.

Filme: Como nossos pais, foto 2

Maria e Clarisse Abujamra (Rosa e Clarice): premiadas em Gramado

A partir do segredo revelado é que o roteiro — assinado pela diretora em parceria com Luiz Bolognesi  — se desenvolve. Rosa a princípio pede apoio do irmão José Carlos (Cazé Peçanha), mas é com a mãe que tem outra conversa definitiva. Quer ao menos conhecer seu pai biológico e, aos trancos e barrancos, vai reconstruindo sua relação afetiva com Clarice. Com Dado é a mesma coisa: Rosa exige uma mudança de atitude dele, tanto com as filhas como na vida a dois. E em determinado momento ela chega a confessar suas limitações e a dificuldade em ter de segurar todas as barras da família. Há ainda a questão de como lidar com Homero, vivido por Jorge Mautner: Rosa tenta falar a verdade com o pai que a criou, mas ele (um artista plástico alternativo) vive num mundo à parte, longe da realidade e ela desiste.
Em função de sua crise existencial, Rosa também questiona sua profissão, sua verdadeira vocação, além que checar seus sentimentos amorosos, afetivos e sua visão de mundo. Mais do que um filme feminista, Laís em Como nossos pais toca em temas pungentes da sociedade contemporânea, como o papel da mulher e do homem na vida conjugal, além de ajudar a refletir sobre questões comportamentais como traição, fidelidade, ciúme, poliamor e relações homoafetivas.
Por tocar em temas tão íntimos, a diretora optou filmar principalmente em locações internas (o apartamento do casal, a casa e o jardim de Clarice), deixando as externas somente para cenas importantes para a narrativa, como o impessoal gabinete do senador, pai biológico de Rosa, vivido por Herson Capri e as cenas de Rosa e Pedro (Felipe Rocha), pai de um coleguinha de escola das filhas dela.

Filme: Como nossos pais, foto 3

Maria Ribeiro no grande papel de sua carreira

 

Além do roteiro bem articulado e a direção focada nos atores, o destaque do filme é mesmo para a performance e a sintonia entre Maria Ribeiro (o grande papel de sua carreira)  e Clarisse Abujamra ( a cena final de sua personagem é emocionante). Vilhena também surpreende desempenhando as funções do pai do século XXI e Mautner encanta com sua pequena, mas fundamental participação. O filme é merecedor de todos os prêmios já recebidos e daqueles que ainda virão. E com filmes brasileiros é sempre bom ressaltar: vá assistir logo nas primeiras semanas para que a produção possa garantir mais tempo em cartaz.

 

 

Fotos: divulgação

Marcos Zaccharias Publicitário
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Marcos Zaccharias Publicitário

4 Comentários

José Eduardo Pereira Lima

setembro 5, 2017 @ 19:37

Resposta

PARABÉNS PELO NOVO FORMATO DO BLOG. PRINCIPALMENTE A DISPONIBILIDADE DOS ASSUNTOS NA HOME.

Maurício Mellone

setembro 6, 2017 @ 11:40

Resposta

Zedu, querido:
fico muito feliz q vc tenha gostado no novo visual
do Favo, vc q é padrinho dele! rsrsr
Volte sempre
Obrigado
bjs

José Eduardo Pereira Lima

setembro 5, 2017 @ 19:36

Resposta

Assisti hoje “Como nossos pais”, gostei muito, porém, achei os 15 minutos finais (após a morte da mãe, maravilhosamente interpretada pela Clarisse Abujamra) arrastadamente desnecessários. Tudo já havias sido dito, insinuado, graças ao roteiro – como você mesmo afirmou em sua resenha – bem articulado.
Locações e fotografia perfeitas e interpretações estupendas das duas – Maria Ribeiro e Clarice Abujamra.

Ontem, assisti ao “Bingo” e estou impactado até agora.

Maurício Mellone

setembro 6, 2017 @ 11:45

Resposta

Zedu,
que ótimo saber q vc tb gostou do filme da
Laís Bodanzky. Clarisse e Maria estão realmente
maravilhosas!!!!
E o Bingo, é estarrecedora a história do palhaço
que gostaria de ter sido reconhecido por seu talento,
mas hje se ‘apresenta’ em cultos evangélicos…
Bjs e volte sempre, adoro compartilhar suas opiniões
com os demais ‘seguidores’ do Favo
Bjs

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: