RSS FACEBOOK TWITTER

Irene Ravache e Dan Stulbach em texto comovente: Deus procura terapia


Peça: Meu Deus!, foto 1

Dan Stulbach na pele de Deus recorre à ajuda da terapeuta Ana, interpretada por Irene Ravache

 

Há muito um espetáculo não me emocionava tanto! Sai da sala do Teatro FAAP depois de assistir a comédia da dramaturga israelense Anat Gov, Meu Deus!, comovido e refletindo sobre minhas convicções sobre Deus. Com humor refinado, a autora — que prematuramente faleceu em 2012, vítima de câncer — provoca o espectador a refletir profundamente sobre a existência humana. Ao procurar uma terapeuta que se diz ateia, papel brilhantemente defendido por Irene Ravache, Deus, encarnado por Dan Stulbach, se mostra deprimido e em crise justamente pelo resultado e pelas ações de sua criação, nós os homens.

O texto, traduzido por Eloísa Canton, com versão brasileira de Célia Forte,  é rico por transitar entre o humor — as cenas iniciais, em que o paciente se apresenta e a terapeuta revela sua incredulidade, são hilárias — e o drama, com reviravoltas surpreendentes e um desfecho tocante.
A trama inicia com a psicóloga Ana em sua bela casa se preparando para receber o novo paciente que ligou suplicando para ser atendido (mãe de um rapaz autista, vivido por Pedro Carvalho, ela só trata de crianças); em suas falas solitárias, ela questiona Deus pela falta de chuva. Depois de avisar ao filho que precisa trabalhar, Ana leva o rapaz para dentro, quando o paciente entra e começa a apreciar o local. Ana volta e se surpreende com ele já na sala. A surpresa só aumenta com o início da terapia, quando ele confessa estar triste e deprimido há mais de 2 mil anos! Ana só se convence de que está diante do Todo Poderoso quando Ele prova saber de suas mais íntimas e inconfessáveis limitações.

Peça: Meu Deus!, foto 2

Irene e Dan protagonizam primeira montagem no país da peça de Anat Gov

A partir deste momento Ana toma as rédeas da situação e começa a checar as atitudes divinas, questionando passagens do início da criação (fatos retratados no Antigo Testamento) e se o criador não tem sua carga de responsabilidade sobre as maldades e o lado perverso do homem. Este embate entre a terapeuta e Deus, a princípio improvável e inverossímil, torna-se real e possível, pois faz com que o espectador repense sobre a atitude destrutiva do homem diante do planeta e da vida.

Mais do quer propor a personificação de Deus, Anat Gov, com esta peça, promove uma discussão mais profunda, a de que somos a criação divina e, por isso, somos Deus, temos a centelha divina em nossa essência. Assim, quem está em crise: Deus ou o homem? Quem precisa rever seus atos e se reavaliar de maneira radical?

Além do texto excepcional e a direção precisa de Elias Andreato, a montagem de Meu Deus! encanta pelo cenário envolvente de Antonio Ferreira Junior, o elegante figurino de Fause Haten e a bela iluminação de Wagner Freire. Mas o que justifica a montagem desta peça é sem dúvida a atuação dos atores: Dan é a pura emoção no palco, com a verdade do personagem transmitida pelo olhar de extrema expressão; já a ‘divina’ Irene, com uma personagem rica como Ana, tem a chance de mostrar várias nuances de interpretação e conduz a trama para o desfecho comovente. Ambos, ao final, levam a plateia ao êxtase!

Peça: Meu Deus!,  foto 3

Dirigidos por Elias Andreato, Irene e Dan dividem o palco com Pedro Carvalho

 

 

Espetáculo merece ser assistido por imensas plateias. Uma das grandes atrações do ano!

 

 

 

 

Fotos João Caldas

 

, , , ,

Maurício Mellone

Como jornalista — tendo atuado em rádio, TV, jornal, revistas e assessoria de imprensa —, a palavra sempre foi minha matéria prima. No entanto, desde 2000 venho cultivando o plano B, ou seja, mantenho no meu velho PC um arquivo com meus escritos, que na verdade já era um pré-blog. Lá, deixo fluir a imaginação para que a linguagem inclusive ganhe novos contornos.


Ver todos os posts de Maurício Mellone »

6 Comentários para “Irene Ravache e Dan Stulbach em texto comovente: Deus procura terapia”

  1. Raphael Vilela Says:

    Vou ser bem direto … umas semanas antes do Dan Skulbach e da Irene Ravanche se apresentar com essa linda peça eles foram no Jô Soares, e foi lá que conheci essa peça ,naquela época não deu para assistir pela distance e financeiramente também.Mas me apaixonei de cara pelo oque apresentaram lá no Jô Soares e estou procurando videos ou até mesmo aquela entrevista com o próprio Jô Soares. Sei que não é o seu trabalho ,mas você tem gravado ou sabe aonde posso conseguir pelo menos a entrevista com o Jô Soares?! Desde de já agradeço!

    responder

    • Maurício Mellone Says:

      Raphael,
      vc já tentou pelo globo play?
      Talvez vc encontre a entrevista. Tente também pelo You Tube.
      Atualmente a peça está em Portugal e ao lado da Irene está o ator
      português Ricardo Pereira.
      obrigado pela visita
      abr

      responder

  2. Carlos Says:

    CADA VEZ QUE LEIO ESSE COMENTÁRIO E O Q FALAMOS
    FICO MAIS ANSIOSO PARA ASSISTIR ESSE ESPETÁCULO
    DESDE Q COMENTASTE COMIGO, INDIQUEI SEU SITE
    PARA ANTES DE ASSISTIR LER SEU COMENTARIO

    QUANDO VER VOLTAREI A COMENTAR E COM CERTEZA … CONFIRMAR SUAS PALAVRAS

    ABRAÇO GDE CARLOS

    responder

    • Maurício Mellone Says:

      Carlos,
      que delícia receber sua visita por aqui!
      Tenho certeza q vc irá curtir muito o trabalho da Irene e do Dan:
      texto reflexivo com pitadas de humor e interpretações comoventes!
      bjs e obrigado pela visita (e pelas indicações aos amigos do Favo!)

      responder

  3. bruno Says:

    Obrigado Mau por ter me convidado para assistir este espetáculo.
    Foi um presente de Deus, seu, da Irene, do Dan, do Elias e toda a equipe!

    responder

Deixe uma resposta